Dermatologia

Dermatologia

Os perigos da exposição solar

 

Faltando pouco menos de um mês para a chegada do verão, a tentativa de conseguir o bronzeado perfeito pode ter um resultado preocupante. Nos últimos dez anos, as mortes por câncer de pele saltaram 55% no Brasil, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Devido ao aumento constante de casos, o tema tem chamado atenção tanto das diversas especialidades médicas como da população em geral, especialmente pela diversidade de tratamentos disponíveis, o que gera um impacto positivo na qualidade de vida e de sobrevida dos pacientes.

A exposição à radiação ultravioleta (RUV) gera benefícios físicos e psicológicos, principalmente em relação à produção de vitamina D e à prevenção de doenças, como osteoporose e raquitismo, além de auxiliar no tratamento de doenças, como psoríase, vitiligo e dermatite atópica. Por outro lado, a exposição excessiva a esse tipo de radiação é responsável por causar muitas doenças, tanto na pele como queimaduras solares, envelhecimento precoce e cânceres de pele do tipo melanoma e não melanoma (CPNM), quanto nos olhos, com o desencadeamento de catarata e pterígio.

Texto escrito com informações do livro Oncologia Cutânea.

 

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone
Dermatologia

Cientistas descobrem mecanismo celular que pode explicar calvície

 

Uma pesquisa realizada por cientistas da Universidade da Califórnia em São Francisco e publicada pela Revista Cell da Elsevier é destaque no jornal O Globo.

Células imunológicas conhecidas como T-regulatórias (ou Tregs) têm, na pele, uma função que vai além do controle da inflamação: elas estimulam diretamente células-tronco que promovem o crescimento dos pelos.

A descoberta do importante papel das Tregs neste processo resultou de experimentos em camundongos, os quais levaram à conclusão de que, sem a “parceria” destas células, as células-tronco não conseguem regenerar os folículos — levando, por exemplo, à calvície.

A matéria completa está disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/saude/cientistas-descobrem-mecanismo-celular-que-pode-explicar-calvicie-21392433#ixzz4iZeQvTla

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone
Tags:,
Dermatologia

Procedimentos e cirurgias na Dermatologia

Conheça duas sugestões de leitura da Elsevier sobre o tema e se atualize!

Em 5 de fevereiro é comemorado o Dia do Dermatologista, médico responsável pelos cuidados dos pelos, cabelos, unhas e pelo diagnóstico de doenças de pele. Para celebrar essa data, conheça dois destaques do portfólio da Elsevier na área.

O livro Dermatologia traz, em sua terceira edição, uma forte ênfase na aprendizagem visual. Esse compromisso reflete-se no uso de diagramas esquemáticos para transmitir os princípios da biologia da pele, bem como da cirurgia cutânea, e na inclusão de algoritmos, que fornecem uma lógica como abordagem prática para problemas clínicos encontrados com frequência.

Além disso, a obra relata que um considerável número de medicações tem sido declarado como indutores de queda de cabelo. As medicações afetam os folículos da estrutura dérmica através de dois mecanismos principais: eflúvio anágeno e eflúvio telógeno.

Cirurgia da Pele Procedimentos em Dermatologia, também na terceira edição, aborda como os procedimentos dermatológicos têm evoluído ao longo dos últimos cinco anos. Novos capítulos foram adicionados para apresentar tratamentos de operação dermatológica totalmente desenvolvidos para vitiligo, hidradenite supurativa e rejuvenescimento da genitália externa feminina.

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone
Dermatologia | Medicina

Gonorreia: uma doença que atravessa a História e ainda causa problemas para a população

A gonorreia foi mencionada na antiga literatura da China, Egito, Império Romano e Grécia, assim como no Velho Testamento. Ao longo dos séculos, vários nomes foram empregados para se denominar a infecção por N.gonorrhoeae, incluindo ”estrangúria”, como usado por Hipócrates; ”clap”, derivado do distrito de prostituição conhecido como ”Las Clapier”, em Paris; ”gonorreia”, escolhido por Galeno [130 d.C] para descrever exsudato uretral como um ”fluxo de sêmen”; e ”M.Neisser”, em reconhecimento a Albert Neisser, que descobriu o microrganismo em 1879, em esfregaços corados de exsudatos vaginais, uretrais e conjuntivais.

A cultura do N.gonorrhoeae foi inicialmente descrita por Leistikow e Luffler em 1882, tendo sido melhorada em 1964 por Thayer e Martin, que projetaram condições de crescimento seletivas em placas de ágar especiais. A compreensão das diferenças na virulência dos gonococos e estudos de sua biologia molecular levou ao melhor discernimento da patologia do microrganismo. O tratamento das infecções gonocócicas era problemático até a introdução das sulfonamidas em 1936 e da penicilina em 1943. Nos últimos 25 anos, observou-se aumento na resistência a antibióticos, como as penicilinas e outros, como as tetraciclinas e quinolinas, tornando a situação problemática. (Fonte: Dermatologia, 3ED – Elsevier)

A gonorreia, que é transmitida através do contato sexual, manteve-se controlada por meio da descoberta da penicilina durante muitos anos, mas com a resistência que a doença vem desenvolvendo ao remédio, há uma real possibilidade de que a doença se torne incurável. Outro erro também é que o tratamento da gonorreia está sendo realizado de maneira equivocada. Um paciente diagnosticado deve tomar um combinado de antibióticos. Só que a Associação de Saúde Sexual e HIV do Reino Unido descobriu que farmácias estão vendendo medicações isoladas, o que aumenta o risco de resistência.

O surto de gonorreia que vem ocorrendo no Reino Unido tem deixado as autoridades preocupadas. Só na Inglaterra, em 2014, mais de 440 mil se contaminaram nas relações – a gonorreia corresponde a 35% dos casos e apresentou aumento de 20% em apenas um ano

Já há registros de superbactéria no norte da Inglaterra.

Nomeada de supergonorreia, a doença já vem causando pânico entre as cidades com muitos números de infectados. Por enquanto, o quadro é reversível, mas crítico: a doença pode ser fatal e combatê-la já está mais difícil que nos velhos tempos. Especialistas apontam a prática de sexo casual sem preservativo  como um dos principais motivos para o descontrole. Dois antibióticos devem ser administrados nos pacientes, azitromicina e ceftriaxona. Mas, agora, como  a resistência à azitromicina está se espalhando, médicos receiam ser uma questão de tempo até que o mesmo ocorra com a ceftriaxona.

Acredita-se que, entre os infectados, cerca de um a cada dez homens heterossexuais e mais de três quartos das mulheres e de homens gays não apresentam sintomas, que podem incluir uma secreção esverdeada ou amarela nos órgãos sexuais, dores ao urinar e sangramento.

 

 

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone
Dermatologia

Especialista dá dicas de cuidados com a pele no carnaval

O carnaval é a época do ano em que nos expomos mais ao sol e a produtos químicos. O excesso de maquiagem, sprays de espuma e horas incansáveis no sol causam irritações que podem evoluir para casos mais graves, como alergias e até câncer de pele. Para que isso não ocorra, os cuidados devem ser redobrados começando pelo uso constante do protetor solar.

Valéria Campos, médica dermatologista e autora do livro Manual Prático de Laser e Outras Fontes de Energia Eletromagnética na Dermatologia, publicado pela Elsevier, listou 8 dicas de cuidados simples com a pele, que devemos ter neste carnaval para não acabar com a folia. Confira as recomendações:

Espinhas no bumbum, nas costas: esfoliação em dias alternados com uma mistura de açúcar cristal, fubá e sabonete liquido aplicado com bucha vegetal com movimentos suaves. Uso diário de um hidratante que contenha ureia na sua composição.

Pelos encravados: uma limpeza de pele com uma boa esteticista que consiga desencravar os pelos sem machucar a pele em volta da região afetada, seguido de um peeling leve de ácido mandélico. NUNCA tente desencravar o pelo sozinha: a chance de tornar a situação pior é muito grande.

Pele opaca: o ideal é utilizar o mesmo recurso que a Madonna, fazendo um peeling de cristal (microdermoabrasao) num consultório dermatológico. Mas, se não der, faça em casa uma micro esfoliação misturando açúcar refinado com iogurte – movimentos circulares e delicados -, seguido por uma máscara de mel e vinho tinto (3 colheres de sopa de mel e uma colher de vinho) e filtro solar durante o dia. Uma boa gargalhada e bom humor também deixam a pele super viçosa. Você duvida? Preste atenção em como pessoas felizes geralmente possuem a cútis mais radiante!

Remoção definitiva de pelos: hoje o laser pode ser feito mesmo com a pele bronzeada (esse método também resolve o problema dos pelos encravados). Se não for possível, procure uma boa depiladora, mas evite fazer na véspera se você tem tendência a encravar os pelos. Em situações de emergência é melhor raspar os pelos com uma lamina desde que você não tenha alergia.

Celulite: existem equipamentos incríveis a disposição, mas a velha caminhada, em ritmo acelerado já ajuda muito. Outra dica, são as meias elásticas de média compressão, mas tem que ser ate a cintura, não vale ate o joelho para melhorar a celulite.

Barriga chapada: existem equipamentos efetivos nas clínicas dermatológicas, mas uma dica para disfarçar é evitar comer alimentos que retenham muito líquido, como os que tenham muito sódio (fique atento aos industrializados), bem como os que produzam muitos gazes como feijão, repolho e batata.

Pés de Cinderela: creme com ureia para o calcanhar e cutículas, e creme com ácido glicólico para a parte superior. Uma sessão de podóloga na véspera e uma manicure no ‘’dia D’’ também fazem toda diferença. Em situação de emergência um extra brilho e um óleo secante, para hidratar antes de sair de casa, ajudam muito.

Mãos de princesa: o ideal é um peeling de acido glicólico que deve ser feito em um consultório médico 10 dias antes, e uso diário de loção com acido glicólico noturno e filtro solar durante o dia, mas se não der para ir a um consultório medico:  esfoliação com borra de café e loção com silicone à noite e filtro solar de dia. Também vale a dica do extra brilho nas unhas antes de sair.

E NÃO SE ESQUEÇA

Separe alguns minutos do seu dia para se hidratar bebendo bastante água, e na hora de curtir uma paixão de carnaval use sempre camisinha!

*Matéria produzida com colaboração de Valéria Campos, CRM: 73176

 

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone
Dermatologia

Professor Azulay atualiza Atlas da Dermatologia

O diretor da Escola Médica de Pós-Graduação em Dermatologia da PUC-Rio Dr. David Rubem Azulay, em parceria com especialistas da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD),lança uma atualização do Atlas de Dermatologia nesta segunda-feira, 9. O lançamento será realizado no 68º Congresso da SBD em Brasília (DF), que começa neste sábado, 7 de setembro, e vai até terça, dia 10.

Leia mais…

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone