Fique por dentro das novidades no combate a asma

 

Comemorado em 21 de junho, o Dia Nacional de Combate à Asma é um alerta para o controle da doença que afeta de 10% a 25% da população brasileira e é responsável por mais de 400 mil internações por ano.

Em sua 6ª Edição “Murray & Nadel Tratado de Medicina Respiratória” oferece um conteúdo definitivo sobre ciência básica, diagnóstico, avaliação e tratamento de todo o espectro de doenças respiratórias.

O volume ainda proporciona a estudantes e pneumologistas uma referência abrangente com autoridade sobre todos os aspectos da medicina pulmonar.

Para saber mais informações sobre Murray & Nadel Tratado de Medicina Respiratória, clique aqui.

Junho é o mês nacional do combate à asma

No mundo 20% da população sofre de asma. Só no Brasil são mais de 10% de pessoas afetadas pela doença, ou seja, a asma é responsável por levar cerca de 400.000 pessoas à internações hospitalares anualmente, além dos incontáveis atendimentos de emergência realizados em ambulatórios, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Esta doença, normalmente genética, pode aparecer em qualquer fase da vida. Ainda não tem cura definitiva, mas com tratamento adequado, as crises poder ser amenizadas e os sintomas controlados.

Caracterizada por uma inflamação crônica das vias aéreas, a asma causa um estreitamento reversível dessas vias, levando à limitação variável da passagem do ar, produção de muco e aumento da inflamação, que se não for tratada de forma correta pode levar à morte por insuficiência respiratória.

Visando disseminar informações corretas sobre a doença e sensibilizar o paciente para que conheça os sintomas e tratamentos, foi instituído junho como o mês Nacional do Combate à Asma, que embora seja uma doença que leve a óbito cerca de 2,5 mil pessoas por ano em todo o Brasil, ainda é vista como um problema respiratório simples e comum.

Riscos da asma no inverno

Quem tem asma sabe que essa época do ano é o período mais crítico para que as crises ocorram. Isso porque, é no inverno que ficamos mais tempo expostos ao ar frio e seco,  podendo assim irritar os brônquios e desencadear sintomas como falta de ar e crises de tosse. Além das temperaturas mais baixas, hábitos que praticamos comumente nos períodos mais frios podem acarretar numa piora do quadro, como por exemplo, trancar as janelas de casa, carros e escritórios, impedindo a renovação do ar. Além disso, usar roupas há muito tempo guardadas e de tecido pesado que facilitam o acúmulo de poeira.

Em geral, neste período do ano a procura por médicos especialistas em doenças alérgicas chega a aumentar 40%. A causa da asma não é conhecida, mas fatores genéticos ou ambientais podem influenciar para que os problemas respiratórios se agravem. Outro fato interessante é que filhos de pais asmáticos são mais predispostos a desenvolverem a doença.

Dicas simples para prevenção da asma

Embora a asma não tenha cura é possível que um asmático tenha uma vida tranquila e com qualidade se livrando de coisas simples, como: cigarros, produtos com cheiros fortes (perfumes, tintas, incenso, etc), mofos, ácaros, poeira, pelos de animais, entre outros alérgenos.

Para se prevenir de outras doenças que facilitem a dificuldade respiratória, o paciente pode recorrer a vacinações em massa para minimizar a incidência de doenças como a gripe, por exemplo. E se a aplicação não impedir integralmente que ele contraia gripe ou pneumonia, pelo menos minimizará os sintomas quando surgirem.

Além disso, e como tudo que está ligado a saúde, é importante manter uma boa alimentação e não exagerar nos doces com corantes, inclusive o chocolate, grande atrativo no frio. Pois apesar do cacau raramente provocar crises alérgicas, os corantes e conservantes utilizados nos bombons podem causar alergia.

Asma e poluentes ambientais: um estudo de séries temporais

Asma e poluentes ambientais: um estudo de séries temporais

Ao longo de seus mais de 430 anos de história, a Elsevier publica conteúdo de excelência em ciência, medicina e tecnologia, consolidando-se como uma das maiores editoras científicas do mundo, com mais de 20 mil títulos e produtos, incluindo livros, periódicos e bases de dados. O Departamento de Journals da Elsevier Brasil, em parceria com as sociedades médicas de nosso país, corrobora a tradição de publicar conteúdo relevante para as engrenagens da ciência e também de utilidade pública, como o artigo “Asma e poluentes ambientais: um estudo de séries ambientais”, publicado na Revista da Associação Médica Brasileira em junho deste ano.

Confira aqui o artigo completo: