A doença arterial coronariana e suas sequelas

 

A Doença Cardíaca Coronariana (DCC) refere-se à doença das artérias coronárias e das complicações resultantes, tais como angina de peito e infarto agudo do miocárdio. Aproximadamente uma em cada seis mortes nos Estados Unidos foi causada por DCC em 2008. A Doença Arterial Coronariana (DAC) afeta as artérias que fornecem sangue ao coração. Mais de 90% dos eventos de DAC ocorrem em indivíduos que têm pelo menos um fator de risco.

O esquema abaixo foi retirado do livro ACLS – Suporte Avançado de Vida em Cardiologia 5ª edição e explica as relações entre a doença arterial coronariana e suas principais sequelas.

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Câncer de pele: até que ponto o sol é inimigo?

flickr: guischpor

As campanhas de prevenção ao câncer de pele têm, há muito tempo, orientado as pessoas a ficarem longe dos raios solares. Porém, pesquisas recentes revelaram que são justamente esses raios solares que podem fornecer uma proteção natural contra a pressão alta, doenças cardíacas e o acidente vascular cerebral.

Durante uma conferência em Melbourne, esta semana, Martin Feelisch, professor de ciências clínicas e experimentais da Universidade de Southampton, questionou se era hora de uma “reflexão radical” dos conselhos dados às pessoas sobre quanto tempo eles devem passar ao sol.

O Professor Feelisch disse que estudos epidemiológicos recentes sugerem que os benefícios da exposição à luz solar moderada superaram os efeitos nocivos da radiação UV sobre a pele.

Em particular, um estudo recente realizado com colegas da Universidade de Edimburgo revelou que a dose da radiação UV, equivalente a cerca de 30 minutos de sol durante o verão no sul da Europa, conseguiu reduzir a pressão arterial das pessoas.

A pesquisa, publicada no Journal of Investigative Dermatology, sugere que a radiação UV desencadeia quantidades de óxido nítrico na pele, dilatando os vasos sanguíneos pequenos. O mecanismo foi independente da vitamina D presente na luz solar, que já é conhecidamente um benefício para melhorar a saúde óssea e muscular. Então, isso significa que esse tipo de processo não pode ser substituído com um suplemento de vitamina D, por exemplo.

Vários outros estudos também têm demonstrado que as pessoas com hipertensão leve tendem a ter pressão arterial mais baixa no verão em relação ao inverno, e que quanto mais você vive a partir da linha do equador, com mais frequência sofrerá de pressão alta e doenças cardíacas.

A pressão arterial elevada foi um importante fator de risco para doença cardíaca e acidente vascular cerebral, que responde por 30 por cento das mortes no mundo a cada ano. Por isso, para o professor Feelisch, as autoridades de saúde devem começar a se concentrar mais sobre os benefícios da exposição solar sensata.

O objetivo é equilibrar os benefícios com os efeitos prejudiciais para o bem maior de toda a população. O conselho de saúde pública atual é dominado por preocupações sobre o câncer. Isso pode ser muito importante para um grupo de risco elevado, mas o grupo de alto risco é a minoria da população.

Muitos outros, provavelmente, tolerarão a uma exposição maior que os níveis recomendados atualmente, à medida que a sua pele se acostuma gradualmente a essa situação, e a saúde começa a se beneficiar disso.

 

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone