Avaliação Ecocardiográfica de Grandes Vasos: Ecocardiografia Transeofágica

Otto, Ecocardiografia Guia Essencial, 2/E

 

Ecocardiografia transesofágica

 

Passo 1: Imagem da raiz aórtica por uma posição esofágica alta

As incidências de eixo longo da aorta ascendente fornecem uma excelente qualidade de imagem para a detecção da dilatação ou dissecção da aorta.

As imagens de eixo curto fornecem a confirmação dos achados e são úteis para distinguir os artefatos das normalidades intraluminais.

 O Doppler colorido avalia o padrão do fluxo na raiz aórtica auxiliando na identificação de flaps de dissecção.

  Leia mais…

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Informações sobre Ecocardiograma Transeofágico

Lang, Ecocardiografia Dinâmica

ECOCARDIOGRAFIA TRANSEOFÁGICA

O achado de trombos em pacientes com FA associa-se a um pior desfecho devido ao risco de tromboembolismo e morte, permanecendo como uma contraindicação à cardioversão elétrica eletiva. No entanto, a ecocardiografia transtorácica tem baixa acurácia preditiva na identificação ou exclusão de trombos no AE e apêndice atrial. A ecocardiografia transesofágica (ETE) monoplanar, biplanar ou multiplanar oferece uma excelente visibilização do AE e AAE para a detecção de trombos, com um alto grau de sensibilidade (92% a 100%), especificidade (98% a 100%) e valor preditivo negativo (98% a 100%) (Fig. 34.1). Apesar de sua alta acurácia, o ETE é insensível para trombos menores de 2 mm, além de poder ter resultados falso positivos quando artefatos, músculos pectíneos e intenso contraste ecocardiográfico espontâneo são identificados erroneamente como trombos (Fig. 34.2).

Leia mais…

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone