Deformidades Maxilomandibulares

Deformidades Maxilomandibulares, Pierre CanalA associação entre ortodontia e cirurgia ortognática tem o compromisso de restabelecer as funções e o equilíbrio facial perturbados pela existência de uma deformidade grave. Considerando que a noção de beleza é uma apreciação de caráter puramente social, a determinação de regras absolutas nessa esfera é uma questão complicada.

Não obstante, a harmonia facial tegumentar pode ser definida como uma sequência de convexidades e concavidades sucessivas e sem rupturas. A localização e a análise dos elementos que prejudicam essa harmonia orientam o diagnóstico e contribuem para a construção de uma estratégia terapêutica. O restabelecimento da harmonia facial deve levar em conta as características étnicas dos indivíduos tratados.

A face pode ser explicada como um conjunto de elementos ósseos que constituem “gavetas” que podem ser movidas cirurgicamente, sendo que algumas têm movimentações possíveis, enquanto outras não são recomendadas, por serem tecnicamente inviáveis. Em grande parte dos casos, o tratamento consiste em deslocar essas peças por meio de movimentos de translação e/ou derotação. O estudo inicial desse “quebra-cabeças” (o diagnóstico) e das possibilidades de reposicionamento de suas peças (a terapêutica) é a garantia de um protocolo adaptado a cada situação.

Deformidades Maxilomandibulares, Pierre CanalAs peças podem ter seu tamanho aumentado por meio da colocação de enxertos e diminuído por meio de osteotomias. A diferença principal que caracteriza esses protocolos dos tratamentos de ortopedia facial reside no modo como são corrigidos os deslocamentos esqueléticos, considerando, ao mesmo tempo, sua localização e sua importância. As limitações dos tratamentos ortopédicos precoces devem conduzir a esse tipo de protocolo e costumam influenciar o momento de sua realização.

A integração da cirurgia ortognática no protocolo terapêutico apresenta duas consequências fundamentais para a fase ortodôntica:

● posicionar os dentes sobre suas bases, de maneira independente e respeitando os limites futuros, que consideram as osteotomias previstas no protocolo. Essa ação anula qualquer compensação dento alveolar, o que altera radicalmente o raciocínio na escolha das extrações necessárias à correção da desarmonia dento maxilar;

● o gerenciamento da ancoragem ortodôntica é facilitado e diferenciado, uma vez que não é preciso considerar as repercussões oclusais das trações maxilomandibulares requeridas para a correção dos deslocamentos ósseos.

Aproveite para conhecer o livro Deformidades Maxilomandibulares, de Pierre CANAL, disponível em nosso site -> http://bit.ly/1li6Kr9

 

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Vacinação nacional contra o HPV

flickr: vcucnsEsse ano a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) conseguiu aprovar a vacina contra o HPV para mulheres até 45 anos. No entanto, para as pessoas nessa faixa de idade a imunização não é gratuita.

Em 2015 a vacina está sendo aplicada de forma gratuita em meninas entre 9 e 11 anos, protegendo contra os tipos mais letais do vírus. Ano passado o público-alvo foi o de meninas entre 11 e 13 anos, e que pode vir a ser a primeira geração com risco zero de falecer deste tipo de câncer. Os números de morte em razão da doença, no Brasil, giram em torno de 5 mil mulheres que perdem a vida todo os anos.

A expectativa é vacinar 4,94 milhões de meninas este ano no Brasil. Mulheres com o vírus do HIV, de 9 a 26 anos, também serão imunizadas.

O que é o HPV?

HPV, em inglês Human Papilloma Virus, é um vírus da família de vírus do papiloma que afeta a pele e as membranas que revestem partes úmidas do corpo, tal como a garganta, boca, pés, dedos, unhas, ânus e colo do útero. Existem mais de 100 tipos, dos quais 40 podem afetar a área genital.

Os tipos de HPV mais conhecidos não causam sintomas em humanos. Alguns, contudo, podem causar verrugas, enquanto que um número pequeno pode aumentar o risco de desenvolvimento de vários cancros, tais como a do colo do útero, do pênis, vagina, ânus e da orofaringe (parte oral da faringe – cancro da garganta).

Quais são os fatores de risco?

Vida sexual – quanto mais parceiros sexuais as pessoas tem, maior a probabilidade de serem infectadas com o HPV. A relação sexual com um parceiro que teve relações sexuais com várias pessoas também aumenta o risco.

Idade – crianças e adolescentes são mais suscetíveis a verrugas comuns. Embora as verrugas plantares possam afetar adultos, elas são mais comuns em crianças. Adolescentes e adultos jovens são mais propensos a desenvolver verrugas genitais.

Sistemas imunológicos – as pessoas cujo sistema imunológico está fraco tem uma chance maior de se infectar com HPV. Exemplos disso são os pacientes que são destinatários, como HIV positivos de transplantes de órgãos que estão tomando medicamentos imunossupressores, aqueles em quimioterapia e em doentes diabéticos que não controlam a doença adequadamente.

Lesões de pele – se a sua pele tem rasgos, cortes ou lesões, então você está mais propenso a se infectar. Por exemplo, se você tem o hábito de roer unhas, então haverá um risco maior de desenvolver verrugas nessa área.

 

Aproveite para conhecer a obra Bases da Medicina Integrada – Saúde da Mulherhttp://bit.ly/1NK7Dn6

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Sarampo: você lembra dele?

bookcoverimgs.comO sarampo este ano atingiu os lugares mais díspares: de campos para refugiados no nordeste da Nigéria, que tiveram que fugir de Boko Haram, à Disneylândia, na Califórnia.

As diferenças entre os dois locais são gritantes. Em um deles, as pessoas estão lutando pela sobrevivência e têm dificuldade em obter cuidados de saúde; o outro é um parque de diversões de primeiro mundo, onde as pessoas podem pagar pelos melhores médicos da região.

Os Estados Unidos estão lidando com o ressurgimento de uma doença que eliminou há 15 anos. Mas não é só isso. Dados da Organização Mundial de Saúde indicam que as taxas de vacinação contra o sarampo estão em declínio em vários países ocidentais, como Canadá, Bélgica, Dinamarca e Espanha.

Os dados também mostram que mais de 100 países, incluindo o Zimbabwe, Irã e Coréia do Norte, têm maiores taxas de imunização contraflickr: ministeriodasaude o sarampo do que os Estados Unidos. Dr. Robert Kezaala, conselheiro de saúde sênior de imunização na UNICEF, passou anos promovendo a vacina contra a poliomielite e o sarampo na África.

Globalmente, as mortes por sarampo atingiram níveis recordes positivos em 2012, onde a OMS atribui esse sucesso à campanhas de imunização, que fizeram com que o número de mortes caísse de 562.000 para 122.000 em 2002.

Mas a OMS advertiu que o progresso era frágil, porque ainda ocorrem surtos e o sarampo continua sendo uma das principais causas de morte de crianças no mundo. Um plano global envolvendo a UNICEF, a OMS, o Centro Norte-Americano para Controle e Prevenção de Doenças, a Cruz Vermelha Americana e da Fundação das Nações Unidas tem como objetivo eliminar o sarampo em 2020.

Os Estados Unidos não é o único país desenvolvido passando por isso. No Canadá, no ano passado, um grupo de pessoas não vacinadas voltaram infectadas de uma viagem à Holanda. As autoridades sanitárias locais em British Columbia confirmaram 375 casos, o pior surto de sarampo em 30 anos no Canadá.

A Holanda também viu um grande surto de sarampo no período de maio de 2013 a março de 2014, onde mais de 2.600 pessoas contraíram a doença em comunidades que normalmente não fazem o uso da vacina.

A Europa registrou 4.735 casos de sarampo em 2014, dos quais 85% dos casos eram de grupos vacinados e 10% não tinham terminado suas doses. O continente viveu um pico em 2010, com 32.480 casos da doença.

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Adquira o Netter Atlas de Anatomia Humana – 6ª Edição

NETTER ATLAS DE ANATOMIA HUMANA 6EDA publicação da 6ª edição do Atlas de Anatomia Humana de Frank H. Netter celebra as bodas de prata do primeiro lançamento do Atlas, quando suas cores vibrantes e sua perspectiva clínica se tornaram um companheiro indispensável nas aulas de anatomia, nos laboratórios de dissecação e nos acervos dos profissionais clínicos, constituindo, para muitos, um legado de um dos educadores médicos mais influentes do mundo.

Anatomia continua a ser uma pedra angular da educação em saúde. Muitas vezes, é um dos primeiros tópicos ensinados nos currículos médicos ou em outras áreas da saúde. Anatomia é também centralizada na prática clínica, do exame físico e de imagem radiológica até a cirurgia e a reabilitação física. No entanto, mudanças no ensino anatômico e sua aplicação clínica, ao longo destes últimos 25 anos, têm sido significativas.

A expansão dos currículos médicos e de todas as áreas da saúde levou a uma diminuição do número de horas dedicadas ao ensino da anatomia macroscópica. Alguns cursos interromperam a dissecação do corpo inteiro. Os avanços nas tecnologias de imagem têm proporcionado uma visão cada vez mais clara da anatomia viva e os modelos de anatomia em 3D continuam a evoluir. Da mesma forma, o Atlas evoluiu.

Graças à grande orientação dos principais anatomistas clínicos e educadores especializados em anatomia, bem como as contribuições de médicos ilustradores talentosos, a 6ª edição apresenta novas ilustrações e imagens radiográficas modernas que proporcionam aos alunos uma visão do atual significado clínico e das perspectivas que esclareçam relações anatômicas complexas.

Esta edição também inclui as ilustrações das mais antigas edições do Atlas, como as representações do Dr. Netter, das variações anatômicas comuns (em edições eletrônicas e pacotes impresso-eletrônico), como um bônus de pranchas para auxiliar a fornecer uma visão mais abrangente que as horas nos laboratórios de dissecação podem não permitir. Pela primeira vez, o Atlas incorpora tabelas de músculos em apêndices de acesso-rápido ao final de cada seção para facilitar a consulta dos médicos, estudantes, educadores que disponham de pouco tempo.

Recursos eletrônicos do StudentConsult.com e NetterReference.com incluem alguns modelos em 3D extraídos do Netter’s 3D Interactive Anatomy, seleções de vídeos de dissecação do Netter’s Online Dissection Modules by UNC at Chapel Hill e outros recursos de apoio. Além disso, todo o texto ao longo do Atlasfoi meticulosamente atualizado para se manter de acordo com a versão mais recente da Terminologia Anatômica, pelo Federal International Program for Anatomical Terminology (FIPAT) of the International Federation of Associations of Anatomists (IFAA).

Compre agora mesmo a obra em nossa loja virtual: http://bit.ly/1aIBWeJ

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Dia Nacional do Livro Didático – aproveite os Descontos!

A Editora Elsevier, líder mundial em informações, produtos e serviços nas áreas da Saúde, Ciência e Tecnologia, não poderia deixar de comemorar o Dia Nacional do Livro Didático. Aproveitamos a data para oferecer a ajuda necessária para aqueles que estão sempre em busca de conhecimento, através de nossos conteúdos.

A campanha de Volta às Aulas está oferecendo 20% de desconto, válido para todo o catálogo. E, para facilitar ainda mais a vida dos estudantes, todos os pedidos a partir de R$ 150,00 contam com frete grátis e poderão ser parcelados em até 6x sem juros.

Acesse agora mesmo o site da editora e adquira os volumes que faltam na bibliografia indicada para o seu curso: http://goo.gl/a5GYnQ

Dia Nacional do livro Didático

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Volta às Aulas com Desconto da Elsevier Saúde

Cada um tem uma maneira diferente de curtir as férias, mas todos utilizam essa fase do ano como uma espécie de válvula de escape, uma fuga das atribuições do dia a dia. Porém, passados estes dias de merecido descanso, todos temos de voltar às nossas atividades cotidianas.

Pensando na volta às aulas e no impacto que o acontecimento pode gerar no bolso dos estudantes que têm o conhecimento como um norte em suas vidas, a Elsevier preparou uma superpromoção: 20% de desconto em vários títulos do seu catálogo.

A “cereja do bolo” fica por conta do frete grátis, concedido a todos os pedidos acima de R$ 150,00, e do parcelamento em até 6x sem juros.

Clique em http://goo.gl/a5GYnQ e confira!

Volta às Aulas Elsevier

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone