Conheça os aspectos da Síndrome de Down

 

O dia 21 de março registra, anualmente, o Dia Internacional da Síndrome de Down, um distúrbio genético causado quando uma divisão celular anormal resulta em material genético extra do cromossomo 21.

A obra indicada para explorar o tema é a 10ª edição de Embriologia Clínica, que oferece uma compreensão atual de alguns dos eventos moleculares que norteiam o desenvolvimento do embrião.

Além disso, o título foca nos aspectos clinicamente relevantes da embriologia, que traz problemas de orientação clínica com respostas breves que enfatizam a importância da embriologia na prática médica moderna.

Para saber mais sobre Embriologia Clínica clique aqui.

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Entenda as fases da evolução gestacional com Netter

¹O desenvolvimento pré‐natal pode ser dividido em um período de divisão celular (semana 1 e 2 após a fertilização), um período embrionário (semana 2 a 8) e um período fetal (semana 9 a 38). Nas primeiras duas semanas após a fertilização, um blastocisto se desenvolve e aprofunda‐se no revestimento da mucosa do útero durante a implantação. Ele consiste em um disco embrionário de duas camadas de células e três membranas que são externas a ele (trofoblasto/córion, âmnio e saco vitelino). A maioria dos sistemas orgânicos se desenvolve no período embrionário principal até a semana 8 e o embrião assume uma aparência humana. O período fetal ocupa os últimos sete meses. É um período de crescimento e elaboração de órgãos que já estão presentes. Três categorias de genes (maternos, de segmentação e homeóticos) estabelecem padrões e destinos do tecido no embrião, e interações dinâmicas entre as células caracterizam a diferenciação e o desenvolvimento de órgãos. O desenvolvimento anormal pode ser classificado pela causa (p. ex., genética versus ambiental), pela natureza do efeito sobre uma estrutura ou tecido, pela relação entre os defeitos e por sua gravidade.

PRIMEIRA E SEGUNDA SEMANAS

A divisão celular e a elaboração de estruturas externas ao embrião (extraembrionárias) caracterizam as primeiras duas semanas. A mórula, uma bola de células, se transforma em uma cavidade para formar um blastocisto que se desenvolve em uma placenta e membranas que circundarão o futuro embrião. O embrião é de início identificado como uma massa de células dentro do blastocisto no final da primeira semana. Ao fim de duas semanas o embrião será um disco com duas camadas celulares de espessura. O concepto (todos os produtos intraembrionários e extraembrionários de fertilização) leva mais de uma semana para a migração descendente das tubas uterinas até a cavidade uterina. Na semana 2, o blastocisto se aprofunda dentro da parede endometrial do útero (implantação).

INÍCIO DO PERÍODO EMBRIONÁRIO

O período embrionário (semana 3 a 8) começa com a gastrulação no disco bilaminar e termina com o embrião que se apresenta mais humano. O disco embrionário se dobra em um cilindro para estabelecer as características básicas do plano de corpo vertebrado e o primórdio de todo o desenvolvimento dos sistemas orgânicos. É um período muito dinâmico de diferenciação, desenvolvimento e mudança morfológica. O sistema cardiovascular é o primeiro sistema orgânico a funcionar (dia 21/22) assim que o embrião se torna muito grande para a difusão destinar as necessidades metabólicas dos tecidos embrionários.

O PERÍODO FETAL

O tema do período fetal de 7 meses é o crescimento e a elaboração de estruturas já presentes. O movimento do feto dentro do líquido amniótico é uma parte crucial do processo. O fluido é um fluido tecidual materno que cruza o córion e o âmnio. É crescentemente suplementado por urina fetal, que é mais similar ao plasma sanguíneo do que a urina porque os produtos metabólicos descartados no sangue são eliminados na placenta. O feto engole até 400 mL de líquido amniótico a cada dia durante o desenvolvimento normal das estruturas orais e faciais e propicia um ambiente favorável para o desenvolvimento do epitélio de revestimento das vias aéreas e do trato gastrointestinal. O fluido é absorvido dentro dos tecidos fetais pela última via.

 

¹Trecho retirado integralmente do livro Netter Atlas de Embriologia Humana

 

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone