Hoje é o Dia do Enfermeiro! Comemore investindo em novos conhecimentos em sua área!

 

Comemorado em 12 de maio, o Dia do Enfermeiro é uma homenagem ao trabalho desses profissionais essenciais para a recuperação e salvamento de vidas.

Clássico da literatura na área, a 5ª edição de “Classificação dos Resultados de Enfermagem (NOC)” padroniza a terminologia e os critérios necessários para medir e avaliar os resultados provenientes das intervenções de enfermagem e definir a meta de cuidados antes da implementação das intervenções.

A classificação enfoca a mensuração dos resultados em uma variedade de especialidades e contextos e tem os resultados para o seu uso durante todo o ciclo vital.

Para saber mais sobre “Classificação dos Resultados de Enfermagem (NOC)” clique aqui.

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Qual a utilidade da NIC na enfermagem?

A Classificação das Intervenções de Enfermagem – NIC é uma linguagem padronizada abrangente que descreve os tratamentos executados por enfermeiros. Quando a linguagem padronizada é usada para documentar à prática, pode-se comparar e avaliar a eficácia dos cuidados prestados em múltiplos contextos por diferentes profissionais. A enfermagem é uma disciplina científica, e como todas as disciplinas, tem um único corpo de conhecimento. De acordo com Nursing’s Social Policy Statement: The Essence of The Profession, o objetivo da enfermagem inclui a aplicação do conhecimento científico, nos processos de diagnóstico e tratamento, pelo uso de julgamento e pelo pensamento crítico, no contexto de uma relação cuidadosa que facilite a saúde e a cura.

Sendo uma área do conhecimento, a enfermagem é composta de informações sobre a natureza da saúde e da doença, bem como de estratégias e de tratamentos para promover a saúde e o bem-estar. É essencial para qualquer sistema de conhecimento científico ter meios de classificar e estruturar categorias de informação. A NIC identifica os tratamentos que os enfermeiros realizam, organiza essas informações em uma estrutura coerente e fornece a linguagem para comunicação com pessoas, famílias, comunidades, membros de outras disciplinas e público em geral. Quando a NIC é usada para documentar o trabalho dos enfermeiros na prática, temos o início de um mecanismo para determinar o impacto dos cuidados de enfermagem nos resultados do paciente. Clark e Lang lembram-nos da importância das linguagens e classificações de enfermagem ao afirmarem: “Se não podemos nomeá-las, não podemos controlá-las, financiá-las, ensiná-las ou colocá-las na política pública”.

UTILIZAÇÃO DA NIC NA PRÁTICA SELECIONANDO UMA INTERVENÇÃO

Enfermeiros usam o julgamento clínico com indivíduos, famílias e comunidades para melhorar sua saúde, aperfeiçoar sua capacidade de lidar com problemas de saúde e promover sua qualidade de vida. A seleção de uma intervenção de enfermagem para um paciente em particular é parte do julgamento clínico do enfermeiro. Seis fatores devem ser considerados na escolha de uma intervenção: os resultados desejados do paciente, características do diagnóstico de enfermagem, base de pesquisas para a intervenção,viabilidade para realização da intervenção, aceitabilidade para o paciente e capacidade do enfermeiro.

¹Trecho retirado integralmente do livro NIC- Classificação das Intervenções de Enfermagem 

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

O uso da NOC nos contextos clínico, de pesquisa e ensino

O valor do uso da Classificação dos Resultados de Enfermagem (NOC) e outras linguagens padronizadas baseia-se na contribuição que eles dão para delinear a prática profissional da enfermagem. Para que a implementação da NOC seja bem-sucedida, são necessários liderança forte, comprometimento administrativo, planejamento detalhado e sessões educacionais. Líderes organizacionais e as equipes precisam conhecer a importância do uso de linguagens padronizadas na prática da enfermagem.

Além disso, é fundamental que os indivíduos que trabalham com a NOC na prática clínica, na pesquisa e na educação possuam conhecimento sobre a estrutura taxonômica e os títulos, definições, indicadores, escalas e métodos para classificar os resultados dos pacientes. O conhecimento dos componentes da classificação é extremamente útil na abordagem de questões de aplicação e questões que emergem.

Os resultados padronizados são importantes para a avaliação da efetividade das intervenções da enfermagem, facilitando a continuidade do cuidado em sistemas de saúde integrados e garantindo a responsabilidade da enfermagem. Além disso, foi reforçado em relato do Institute of Medicine (IOM), The Future of Nursing; Leading Change, Advancing Health, a importância da enfermagem e o valor da utilização dos resultados na melhora do cuidado do paciente no ambiente de atenção à saúde. Os pontos fortes da utilização de classificações de resultados padronizados, tais como a NOC, precisam ser comunicados à equipe de enfermagem e reforçados pelos líderes organizacionais. O reconhecimento da importância dos resultados pelo IOM exige mensuração, acompanhamento dos resultados dos pacientes e delineamento do impacto crítico da enfermagem no cuidado ao paciente. É o momento do profissional da enfermagem verdadeiramente abraçar a avaliação dos cuidados utilizando resultados padronizados.

CONSIDERAÇÕES AO UTILIZAR A NOC NA PRÁTICA CLÍNICA

A avaliação da efetividade do cuidado da enfermagem exige resultados enfocados no estado do paciente, que podem mensurar tanto mudanças de curto prazo quanto mudanças a longo prazo no decorrer do curso de uma enfermidade ou doença. A NOC foi desenvolvida para mensurar ambos os níveis de modificação no estado do paciente. Os resultados foram desenvolvidos pela enfermagem, porém outros profissionais da saúde, incluindo as equipes multidisciplinares, os consideram úteis para a avaliação da efetividade de suas intervenções.


*Trecho retirado do livro Classificação dos Resultados de Enfermagem, 5ED (Elsevier) – lançamento previsto para fevereiro de 2016. 

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Entrevista e exame iniciais em pacientes com transtornos mentais

Ao se deparar com pessoas em sofrimento mental, estudantes de enfermagem e enfermeiros experimentam uma diversidade de emoções e sentimentos e, consequentemente, podem ter atitudes que variam entre aproximação, curiosidade ou afastamento e indiferença. Estas atitudes dos estudantes ou profissionais podem-se relacionar a mecanismos intrapsíquicos de autoproteção e defesa, ou a representações culturais sobre a doença mental presentes em nossa cultura, ou dificuldades para compreender o que o paciente expressa e integrar essa expressão no planejamento da assistência de enfermagem.

No Brasil, a assistência de enfermagem em Saúde Mental ainda é, muitas vezes, baseada em reações emocionais e atitudes leigas e instintivas do enfermeiro. O que se propõe é que essas emoções e atitudes possam ser vividas e integradas de modo profissional, em instrumentos de trabalho adequados para a abordagem terapêutica das pessoas em sofrimento mental. Para isso, apresentamos determinado instrumento de avaliação do estado mental e compreendemos esse instrumento de avaliação como um importante recurso tecnológico para a assistência de enfermagem nessa área, pois a assistência de enfermagem às pessoas em sofrimento mental requer um marco teórico de referência e uma tecnologia específica de avaliação do grau e do tipo de sofrimento apresentado pela pessoa.

ALGUNS PRESSUPOSTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS

  1. Cada interação é única – As manifestações de sofrimento mental, embora presentes e identificadas em uma pessoa, ocorrem em determinados contextos relacionais e socioculturais. A existência do problema mental (objeto da entrevista) e a possibilidade de compreendê-lo se inscrevem em uma específica situação. No trabalho de enfermagem em Saúde Mental, as expressões individuais – emoções, sentimentos, atitudes, comportamento – de enfermeiros e de indivíduos compõem um quadro único, dinâmico e interativo de relações recíprocas.
  2. Relacionamento terapêutico – A análise do problema apresentado requer dos enfermeiros, no plano objetivo, conhecimento teórico-prático e, no plano subjetivo, um nível mínimo de autoconscientização ou autoconhecimento. Desde a entrevista inicial de acolhimento e avaliação, o enfermeiro precisa fazer uso positivo de sua própria personalidade, ferramenta básica para o relacionamento terapêutico com os indivíduos. Para isso, há a necessidade de ampliar continuamente a consciência e o conhecimento de si mesmo. No trabalho de enfermagem em Saúde Mental é necessário que os enfermeiros analisem seus sentimentos, suas reações e atitudes instintivas inicialmente apresentadas (medo, por exemplo), para que possam ser reelaboradas e se constituam em instrumentos de trabalho adequados para a abordagem terapêutica das pessoas em sofrimento mental. Dessa forma, fará uso de si mesmo como ferramenta terapêutica.

Com essas premissas, situamos o trabalho assistencial de enfermagem, desde a entrevista inicial, na perspectiva da historicidade dos sujeitos envolvidos, da complexidade e da realidade das relações estabelecidas, em contraposição à pretensão de universalidade e neutralidade do conhecimento científico.


*Trecho retirado do livro Enfermagem em Saúde Mental e Psiquiátrica (Elsevier)

– Imagem: pixabay

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Elsevier lança obras de enfermagem no CBEn

Sempre com o intuito de levar ao público o que há de melhor na literatura da área de enfermagem, a editora Elsevier marca presença em um dos mais importantes eventos do ramo, o 67º Congresso Brasileiro de Enfermagem (CEBEn). Na ocasião serão lançados os livros Atenção primária em saúde e Exame físico na prática clínica da enfermagem, da editora Elsevier, serão lançados no dia 29 de outubro (quinta-feira), às 19h. Os autores falarão sobre os livros e ainda organizarão uma sessão de autógrafos no estande 9. O evento, que é realizado pela Associação Brasileira de Enfermagem – ABEn  Seção SP, no período de 27 a 30 de outubro, tratará o tema – “Para onde caminha a Enfermagem Brasileira?”. Ancorados pela história dos congressos anteriores e, considerando a experiência acumulada pelos segmentos e áreas da enfermagem. A construção da temática do CBEn 2015, se deu a partir de oficinas oferecidas por representantes dos serviços de saúde, de instituições de ensino e dos órgãos de classe.

CONHEÇA UM POUCO MAIS SOBRE OS TÍTULOS QUE SERÃO LANÇADOS PELA ELSEVIER NO CBEn

Atenção primária em saúde

O livro detalha o método de construção dos subconjuntos e permite que o profissional de enfermagem conheça e elabore os subconjuntos de diagnósticos voltados para a atenção primária. Eles são entendidos como uma fonte competente de informação para apoiar a implementação de sistemas de registros eletrônicos que usem a CIPE®, garantindo maior autonomia no atendimento aos pacientes.

Exame físico na prática clínica da enfermagem

Está obra foi elaborado por enfermeiros,  em sua maioria professores de renomadas instituições, para ajudar a combater a dificuldade que os alunos da área têm de aplicar a Sistema­tização da Assistência de Enfermagem (SAE), seja por enfermeiros ou graduandos, com vistas à elaboração de diagnósticos  de enfermagem consistentes para a prestação do cuidado.

INFORMAÇÕES DO EVENTO

27 a 30 de Outubro de 2015
Palácio das Convenções – Anhembi, São Paulo – SP

Lançamentos Elsevier: 29 de outubro, às 19h – Estande 9

 

 

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Tratado de Enfermagem Médico-cirúrgica 8ED

A prática de enfermagem  é composta de uma grande variedade de papéis e responsabilidades necessários para alcançar as necessidades de cuidados de saúde da sociedade. Os enfermeiros são os profissionais da linha de frente pois de cuidados de saúde. Exercem a profissão praticamente em todos os serviços de saúde e comunidades de todo o país. Nunca os enfermeiros foram tão importantes em cuidados da saúde quanto atualmente. Enquanto enfermeiro, você oferece cuidados especializados para as pessoas que se recuperam de doenças ou lesões; defende os direitos do paciente; os orienta para que possam tomar decisões estando devidamente informados; dá apoio a eles e a seus familiares em momentos críticos; e os ajuda a transitarem por um sistema de cuidados de saúde que vem se tornando cada vez mais complexo.

Para ressaltar essa importância e aperfeiçoar ainda mais as habilidades dos estudantes da área, a Elsevier lançou a oitava edição de Tratado de Enfermagem Médico-cirúrgica. O livro que aborda de temas como ”Os efeitos do envelhecimento sobre a atuação do sistema gastrintestinal” a ” fatores culturais ligados à religião que afetam a saúde e os cuidados com a saúde”, conta ainda com diversas tabelas que indicam: as observações que devem ser realizadas pelos enfermeiros acerca de cada doença; recomendações de dosagem de medicamentos; guia de orientações para pacientes e cuidadores; prós e contras de cada tratamento administrado ao paciente, além de imagens e gráficos que facilitam a visualização das informações abordadas.

A obra também conta com uma breve revisão

O livro é atualização da edição antiga e apresenta no início de cada capítulo uma breve revisão do que foi dado no capítulo anterior além de exercícios de fixação ao final deles, que são baseados, inclusive, em questões de concursos. Tratado de Enfermagem Médico-cirúrgica 8 Ed , não é apenas mais um livro de enfermagem com abordagem sobre doenças, causas e tratamentos, os temas demonstrados são de interesse social, além da linguagem adotada ser bastante explicativa o que torna a leitura acessível até mesmo para os mais leigos na área.

Todas as informações passadas mostram diagnósticos clínicos reais como exemplo, além de estudos de casos baseados em pesquisas feitas por especialistas renomados. Os questionamentos levantados são sempre de cunho histórico e também cultural buscando explicar de onde surgiu a relação das pessoas com a sua saúde ” Membros de uma subcultura compartilham certos aspectos da cultura que são diferentes do grupo cultural global. Entre os hispânicos, alguns procuram cuidados de saúde profissional imediatamente quando os sintomas aparecem, outros hispânicos confiam primeiro em curandeiros, e outros procuram primeiro a opinião da família e de amigos antes de procurar cuidados de saúde formais.” A obra também busca auxiliar esses profissionais a assistir aos pacientes sem que haja choques étnicos e respeitando o senso de identidade do indivíduo.

Para ler mais trechos do livro clique aqui.

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone