Dia de conscientização da saúde feminina

Segundo dados levantados pelo IBGE, 51% da população brasileira são mulheres. A saúde e a mortalidade feminina evoluíram muito nas últimas décadas, de 1990 a 2013 houve uma redução da taxa de morte materna de 43%, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Esse resultado é o reflexo das ações de conscientização, que enfatizam a importância da saúde da mulher nos últimos tempos.

Hoje, 28 de maio, é o Dia Internacional de Luta Pela Saúde da Mulher e o Dia Nacional de Redução da Mortalidade Materna. O direito das mulheres à saúde é algo que deve ser incentivado todos os dias, e não apenas no dia de hoje.

A Elsevier encoraja a conscientização e a luta pela saúde feminina com obras que vão ao encontro desses ideais. Um exemplo é o livro Condutas Práticas em Infertilidade e Reprodução Assistida – MULHER.

 “Estudo de Gnoth et al,de 2003, analisando apenas os casais verdadeiramente férteis, ou seja, aqueles que conseguiram engravidar espontaneamente ao final do segmento, mostrou que a probabilidade de gestação é maior nos primeiros meses de tentativa:

  • 1º mês: 42% de gestação;
  • 3º mês: 75% de gestação;
  • 6º mês: 88% de gestação;
  • 12º mês: 98% de gestação;

Assim um casal que estava tentando engravidar há 6 meses tem 12% de chance de ser verdadeiramente fértil e um casal tentando há 12 meses, 2%. Portanto, após este período, recomenda-se investigação e tratamento”, ( trecho retirado da obra Condutas Práticas em Infertilidade e Reprodução Assistida – MULHER) 

Para ter acesso à obra completa, clicar aqui

Como se caracteriza a infertilidade

 

A infertilidade é caracterizada como ausência de gravidez clínica após um período de um ano ou mais de relações sexuais regulares e desprotegidas. Não há uma frequência mínima de relações sexuais necessárias para caracterizar a dificuldade na concepção, embora saibamos que a maior chance de gravidez é obtida com relações diárias ou a cada 2 dias, no período de 6 dias que termina no dia da ovulação.

A chance cumulativa de gravidez no decorrer do tempo não é linear. Apenas os casais verdadeiramente férteis, ou seja, aqueles que conseguiram engravidar espontaneamente ao final do seguimento, mostrou que a probabilidade de gestação é maior nos primeiros meses de tentativas:

  • 1º mês: 42% de gestação;
  • 3º mês: 75% de gestação;
  • 6º mês: 88% de gestação;
  • 12º mês: 98% de gestação.

Assim, um casal que estava tentando engravidar há 6 meses, tem 12% de chance de ser verdadeiramente fértil, e um casal tentando há 12 meses, 2%. Portanto, após este período, recomendam-se investigação e tratamento.

Texto escrito com informações do livro “Condutas Práticas em Infertilidade e Reprodução Assistida – Mulher”.