Conheça NAKAGOMI PRÓTESE TOTAL

Livro-Protese-total

NAKAGOMI, PRÓTESE TOTAL 1ª EDIÇÃO é o livro para especialistas em prótese total e para técnicos em prótese dentária que buscam uma excelência funcional e estética na confecção de próteses totais.

A obra apresenta o passo a passo completo, abordando os conceitos através dos métodos, além de destacar a importância de observar a morfologia, função e cor, auxiliando o profissional a obter o excelente equilíbrio da prótese total em cada biotipo do paciente.

Em um encontro de excelência estética e funcional, o livro PRÓTESE TOTAL apresenta uma visão prática e aprofundada através de casos clínicos, e o conteúdo chave baseado no perfeccionismo técnico japonês

Os Pré-molares Superiores Permanentes

Há quatro pré-molares na cavidade oral: dois na maxila direita e dois na esquerda, posicionados posteriormente aos caninos e imediatamente anteriores aos molares. Os pré-molares são assim denominados devido a seu posicionamento anterior aos molares na dentição permanente. Na zoologia, são os dentes que sucedem os molares decíduos independentemente do número a ser substituído.

Leia mais…

Biocompatibildade

Sakaguchi, Craig Materiais Dentários Resatauradores, 13Ed

Biocompatibilidade
Os solventes e os monômeros dos agentes adesivos são tipicamente irritantes  à  pele. Por exemplo, metacrilato de 2-hidroxietila- (HEMA) pode produzir  reações  locais e sistêmicas em dentistas e assistentes de consultório  suficientes para  impedir seu uso no consultório odontológico. Portanto, é  muito importante que a  equipe do consultório odontológico se proteja da  exposição prolongada. As  técnicas de proteção incluem utilização de luvas,  reposição imediata de luvas contaminadas, utilização de sucção de alta  velocidade, manter todos os frascos bem fechados ou utilizar sistemas de dose  única e dispor os materiais de tal maneira que os monômeros não possam  evaporar  para o ar do consultório. Até mesmo com luvas duplas, o contato com  solventes e monômeros agressivos produzirá contato efetivo com a pele em  poucos minutos. Todas as precauções razoáveis devem ser seguidas e, se  o contato indesejado ocorrer, as áreas afetadas devem ser lavadas   imediatamente com quantidade abundante de água e sabão. Uma vez que os  materiais são polimerizados, o risco de efeitos colaterais é muito pequeno. Os   materiais adequadamente polimerizados não têm se mostrado perigosos para os pacientes, embora estes devam ser protegidos durante procedimentos   adesivos.

Desempenho Clínico

As orientações da American Dental Association (ADA) exigem que os  adesivos   sejam testados em restaurações de lesões classe V não retentivas. As lesões  podem ser em formato de prato ou de cunha, e devem apresentar esmalte ao   longo da margem oclusal e dentina ao longo da margem cervical. O  sucesso de  um agente adesivo é avaliado indiretamente examinando-se a  performance das  restaurações diante da (1) sensibilidade pós-operatória, (2)  manchamento  interfacial, (3) cáries secundárias e (4) retenção ou fratura  acompanhada por  18 meses. Estes ensaios clínicos testam a retenção em curto  prazo e selamento  inicial.

A maioria dos sistemas adesivos comercializados são bem-sucedidos em ensaios clínicos. Contudo, estes ensaios geralmente combinam adesão ao  esmalte e à dentina. Não existe nenhum esquema clínico aceitável para testar  criticamente somente a adesão à dentina em preparos não retentivos. Como os  ensaios clínicos são, de modo geral, altamente controlados, muitas vezes eles  não são preditivos do uso na rotina clínica do clínico geral. A longevidade da  adesão na clínica geral pode ser somente 40% daquela obtida em ensaios  clínicos controlados. A performance clínica a longo prazo dos sistemas  adesivos para uma ampla variedade de materiais não foi ainda relatada. Os locais de falha para a maioria das restaurações adesivas ocorrem ao longo  das margens cervicais em que a adesão se dá especialmente em dentina de compósitos utilizados em restaurações classe 2 têm demonstrado que 95% de
todas as cáries secundárias associadas à restauração em compósito estão na área interproximal. Essas margens são as mais difíceis de selar durante a inserção da restauração porque são tipicamente aderidas à dentina e ao  cemento em vez de esmalte e são difíceis de acessar com a fonte de luz para  uma adequada polimerização.

Os sistemas de três passos com técnica de condicionamento-enxágue permanecem sendo o “padrão-ouro” dos sistemas adesivos, tanto em avaliações de laboratório como clínicas.

Adesão ao Esmalte

A adesão ao esmalte ocorre por retenção micromecânica depois que o  condicionamento ácido é utilizado para dissolver preferencialmente os cristais de hidroxiapatita na superfície externa do esmalte. O adesivo fluido penetra  nas irregularidades de superfície recém-produzidas e fica preso no lugar após a sua polimerização.

Os condicionadores em gel (tipicamente ácido fosfórico) são dispensados de uma seringa na superfície do dente a ser condicionado. Os tempos de condicionamento do esmalte variam, dependendo do tipo e qualidade do  esmalte. Geralmente, um condicionamento de 15 segundos com ácido fosfórico de 30 a 40% é suficiente para se alcançar o ponto final clínico característico de  um esmalte com aparência de “congelado”. O esmalte decíduo imaturo  geralmente contém algum esmalte aprismático que ainda não foi desgastado e  requer tempos maiores de condicionamento (20-30 segundos) para criar um  padrão retentivo. O esmalte pode ser mais insolúvel como resultado de fluorose. Nesses casos, são necessários tempos de condicionamento estendidos (15-30 segundos) para assegurar que uma suficiente adesão  micromecânica possa ocorrer. O único cuidado é que a dentina deve ser protegida da exposição do ácido porque a dentina com fluorose é mais  susceptível ao ácido do que a dentina regular.

Depois do tempo de condicionamento desejado, o gel ácido é enxaguado e a  estrutura dentária é seca para receber a resina adesiva. Se um primer hidrofílico ou um sistema de dois passos do tipo condicionamento-enxágue é usado, a superfície pode ser mantida úmida para o próximo estágio do procedimento adesivo. Então, o primer pode ser aplicado sobre a superfície  para penetrar nas irregularidades de superfície criadas. Após a polimerização, o primer e o adesivo produzem macrotags de resina ao penetrar no espaço que circunda os prismas de esmalte. Microtags se formam onde o adesivo flui pelos prismas condicionados que envolvem cristais individuais de hidroxiapatita.  Microtags são muito mais numerosos e contribuem com a maior parte da retenção micromecânica.

Adesivos autocondicionantes fortes produzem um padrão no esmalte  semelhante ao obtido com ácido fosfórico. Sistemas autocondicionantes  moderados apresentam menor resistência de união ao esmalte, se comparados  aos sistemas do tipo condicionamento-enxágue, provavelmente por causa de um padrão de condicionamento mais superficial.

Acesse o site da Elsevier e saiba mais sobre este Livro de Materiais Dentários e Restauradores e conheça nosso catálogo de livros de Odontologia.

E-sample do Livro Biologia Celular e Tecidual para Odontologia

ARANA, Biologia Celular e Tecidual para Odontologia

Biologia Celular e Tecidual para Odontologia é o primeiro livro elaborado especialmente para o estudante de Odontologia e uma nova opção para aprender Histologia.  Escrito pelos renomados Victor Arana e Vivian Bradaschia, contém o conteúdo de histologia e de biologia celular e molecular necessários para atender o programa da odontologia, ampliado a partir o avanço da biologia celular e molecular. Altamente atualizado e abrangente, o livro é organizado de forma extremamente didática, clara e objetiva e com muitas ilustrações e esquemas, alem de micrografias especialmente selecionadas, para que possa ser um livro texto e também para servir como um atlas de histologia. Neste livro o estudante vai encontrar todos os aspectos relacionados a biologia celular, molecular e tecidual, isto é, dos tecidos fundamentais alem de um conteúdo complementar exclusivo e gratuito na internet no site Odonto Consult .

Veja abaixo o e-sample do livro Biologia Celular e Tecidual para Odontologia e saiba um pouco mais deste lançamento de histologia oral.

 

E-sample do novo livro de Odontologia

BOYD, Manual de Instrumentais e Acessórios para Especialistas, 4/E

Identifique os instrumentos odontológicos com precisão e facilidade com o novo lançamento de Odontologia da Elsevier: Boyd – Manual de Instrumentos e Acessórios Odontológicos por Especialidades – 4ºEd.

Reconheça e manuseie com confiança mais de 300 instrumentos odontológicos com a nova edição deste detalhado recurso visual fácil de carregar com fotos e ilustrações em alta qualidade, em um prático formato de bolso.

Veja abaixo o e-sample deste novo livro de Odontologia ou acesse o site da Elsevier e conheça outros livros de Odonto:

Extração de Pré-Molar Assistida com Imediata Colocação de Implante

Block, Atlas Cirúrgico na Implantodontia, 3/E

 

Vídeo de odontologia baseado no livro de Implantodontia que exibe a extração pré-molar assistida por Piezótomo com imediata colocação de implante.

Saiba mais sobre este livro de implantodontia:

Escrito por um expert na área de implantodontiaMichael Block, essa terceira edição atualizada traz fotografias clínicas claras e inteiramente coloridas, e instruções práticas sobre uma ampla gama de desafios em Implantodontia. Esse Atlas Cirúrgico na Implantodontia o guiará por planos de tratamento, protocolos pré-cirúrgicos, técnicas cirúrgicas detalhadas e acompanhamento pós-operatório. Nessa edição, foram acrescentados mais estudos de casos, imagens de tomografia computadorizada e um novo DVD com vídeos filmados pelo próprio autor, todos legendados em português.

Compre o livro Atlas Cirúrgico na Implantodontia agora mesmo no site da Elsevier.