Uma versão mais social da enfermagem

 

“O papel da enfermeira inclui assumir a liderança na preservação das práticas de enfermagem e demonstrar a sua contribuição aos cuidados de saúde do seu país. As enfermeiras do futuro, portanto, deverão ser pensadoras críticas, defensoras do paciente, tomadoras de decisões clínicas e educadoras do paciente dentro de um amplo espectro de serviços de prestação de cuidados.” (trecho retirado do livro Fundamentos de Enfermagem).

A 9ª edição de Fundamentos de Enfermagem contém conceitos de enfermagem fundamentais e utiliza a prática baseada em evidências como método pilar de ensino. Por intermédio de uma estrutura teórica, técnica e prática se mostra uma ferramenta de auxílio ao professor. A obra possui uma estrutura funcional que facilita o ensino, pois obtém recursos tanto textuais quanto visuais. Desse modo o livro é uma ferramenta de instrução para o estudante e um manual de ensino para o professor.

A edição brasileira, lançada pela Elsevier, tem como base o Código de Ética de Enfermagem nacional e as regulamentações impostas pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) na sua execução, pois dessa forma se adapta a realidade do país.

Pode-se dizer que a obra propõe uma nova forma de pensar a prática de enfermagem no âmbito profissional, com uma valorização maior do social.

Para saber mais acessar aqui

Os mistérios do comportamento dos jovens

 

A profissão médica é uma arte que aplica o conhecimento científico diariamente. Os profissionais da medicina estão em constante atualização para evitar que os pacientes sejam punidos pela inépcia nos estudos.

Pesquisas recentes na área da saúde apontam mudanças importantes no comportamento dos jovens ao iniciarem seus relacionamentos afetivos. Ainda à procura de uma identidade sexual, em meio a tantos mistérios, preconceitos, transformações físicas e emocionais, os jovens parecem confusos!

¹Além do pensamento mágico, comum na adolescência, mitos e fantasias é que parecem contribuir para tal fato. Do mesmo modo, a falta de maturidade de muitos adolescentes torna difícil a iniciativa em busca de um método contraceptivo, sendo necessária, por vezes, a intermediação de um adulto de referência. E, ainda, a escassez de serviços especializados acessíveis aos jovens é outro fator a ser considerado.

¹Trecho retirado integralmente do livro Manual de Terapeutica – Pediátrica 4ª EDIÇÃO.