Os principais sintomas e síndromes dos transtornos mentais

 

É alto o índice de pessoas acometidas por doenças mentais. E esse número não para de crescer! A cada dez pessoas, duas sofrem de algum distúrbio da mente. Devido ao aumento de casos, as atenções se voltaram nos últimos anos para a psiquiatria, englobando equipes multidisciplinares no tratamento e reabilitação de pacientes.

A consciência é caracterizada por sua natureza subjetiva e privacidade. Além disso, ela parece ter uma qualidade única, chamada de qualia, que é resistente a qualquer descrição física externa.

1Para ser capaz de vivenciar o mundo, a pessoa precisa estar consciente. Assim, o ponto de partida lógico para o estudo dos sintomas, sob uma perspectiva subjetiva, é aquele que permite a existência da subjetividade (consciência). Até recentemente, estudos sobre a consciência eram vistos com suspeita por neurocientistas, deixando médicos, neurologistas e psiquiatras em uma lacuna de conhecimento. Isto foi corrigido na década passada através da combinação e compartilhamento das perspectivas de diferentes disciplinas: Filosofia, Psicologia, Medicina e Neurociências (Bock e Marsh, 1993).

¹Trecho retirado integralmente do livro Sims Sintomas da Mente – 5ª edição.

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Estude neuroanatomia e participe da 2ª Olimpíada de Anatomia Elsevier

 

É fato que o cérebro é o órgão mais complexo do corpo humano. Com ele sentimos, percebemos, agimos, tomamos decisões, amamos e transcendemos. O ensino da organização anatômica do sistema nervoso teve início no Brasil com o ilustre prof. Eduardo Sarmento Leite da Fonseca, no final do século XIX.

Os autores de “Neuroanatomia Clínica e Funcional” uniram a área básica e a área clínica no conhecimento aplicado, tornando a obra um diferencial no ensino e na pesquisa para cursos de graduação e de pós-graduação das áreas Biológicas e da Saúde.

Aproveite o livro e estude para participar da 2ª Olimpíada de Anatomia Elsevier. As inscrições estão abertas! A disputa é totalmente online, com provas de múltipla escolha nas quais serão levados em consideração o número de acertos e o tempo de realização.

Selecionamos uma imagem do livro para você estudar e mandar super bem no jogo!

Inscreva-se na 2ª Olimíada de Anatomia da Elsevier em: www.elsevier.com.br/olimpiadasdeanatomia

Mais informações sobre o livro Neuroanatomia Clínica e Funcional clique aqui.

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Por que a maioria das pessoas é destra?

flickr: gemmabouSe você usar uma das mãos para escrever, provavelmente usa a mesma para comer, e a maioria de nós – cerca de 85% de nossa espécie – preferem a mão direita para fazer essas coisas. Na verdade, nunca houve qualquer relato de uma população humana em que os indivíduos canhotos predominassem, de acordo com o arqueólogo Natalie Uomini, da Universidade de Liverpool, no Reino Unido.

Lateralização de uso do membro – ou seja, uma tendência para um lado ou para o outro – geralmente começa no cérebro. Sabemos que algumas tarefas são, em grande parte controlada por atividade cerebral no hemisfério esquerdo, enquanto o hemisfério direito governa outras tarefas. Confusamente, existe alguma passagem de nervos entre o corpo e o cérebro, o que significa que é, na verdade, o lado esquerdo do cérebro que tem mais controlo sobre o lado direito do corpo, e vice-versa. Em outras palavras, o hemisfério esquerdo do cérebro ajuda a controlar a operação do lado direito, olho, perna e assim por diante.

Alguns argumentam que essa divisão do trabalho neurológico tem sido uma característica de animais há mais de meio bilhão de anos. Talvez tenha evoluído porque é mais eficiente permitir que os dois hemisférios possam realizar cálculos diferentes ao mesmo tempo. O lado esquerdo do cérebro, por exemplo, pode ter evoluído para realizar operações de rotina – coisas como procurar comida – enquanto o lado direito foi mantido livre para detectar e reagir rapidamente aos desafios inesperados no ambiente – um predador que se aproxima, por exemplo. Isto pode ser visto em vários peixes, rãs e aves, que são mais suscetíveis de atacar a presa que observada pelo olho direito.

Por isso é possível (embora difícil de provar) que, como os ancestrais hominídeos começaram a andar sobre duas pernas em vez de quatro, liberando as mãos para executar novas tarefas como fazer ferramentas, eles estavam predispostos a começar a usar essas mãos de forma diferente.

Corroborando a ideia, pesquisadores começaram a olhar para a lateralidade em chimpanzés, e descobriram que, quando os macacos ficavam de quatro, eles não apresentavam sinais de preferências para qualquer uma das mãos. Apenas quando foram forçados a assumirem uma postura ereta que a preferência lateral surgiu – embora os chimpanzés do estudo tivessem a mesma probabilidade de ser canhoto ou destro.

Evidentemente, então, era necessário algo mais para fazer com que os primeiros seres humanos partissem para uma preferência lateral, em geral, para os níveis extremamente elevados de destros que vemos hoje. Sabemos mais ou menos quando essa mudança ocorreu, a partir de experimentos nos quais os investigadores fizeram suas próprias versões de ferramentas de pedra antigas, seja através de suas mãos esquerda ou direita. Fazer isso sugere que há apenas evidências limitadas de que os hominídeos fabricantes de ferramentas trabalhavam, preferencialmente, com a mão direita.

No entanto, as ferramentas de pedra que foram feitas há 1,5 milhões de anos em Koobi Fora, no Quênia, por duas espécies de humanos antigos – Homo habilis e Homo erectus – mostram alguma evidência de espécies destras. E no momento em que uma espécie chamada Homo heidelbergensis havia aparecido, talvez em torno de 600 mil anos atrás, existia uma clara preferência destra nas sociedades pré-históricas. O desgaste dos dentes preservados de Homo heidelbergensis, por exemplo, sugerem que a comida era normalmente levados para a boca com a mão direita.

Isso diz quando essa mudança ocorreu, mas não o porquê. Alguns argumentaram que tudo se resume à linguagem. Assim como a maioria das pessoas são destras – um traço, lembre-se, controlado pelo lado esquerdo do cérebro – o mesmo acontece com a maioria das pessoas que fazem a maior parte de seu processamento linguístico no hemisfério esquerdo de seu cérebro. Na verdade, esta especialização do lado esquerdo do cérebro, para a linguagem, é ainda mais comum do que pessoas destras – o que pode sugerir que, como o hemisfério esquerdo evoluiu para a linguagem, a preferência para a mão direita pode ter intensificado simplesmente como um efeito colateral.

E como ficam os canhotos? Animem-se! De acordo com um documento de 1977 da revista Psychological Bulletin, há muito pouco evidência de qualquer associação de canhotos com qualquer déficit que seja, como foi muitas vezes foi sugerido. Na verdade, algumas pesquisas mostram que pessoas canhotas podem até ter um tempo mais curto para se recuperar de uma lesão cerebral, por exemplo. E a sua mão esquerda parece ter a vantagem da surpresa em uma luta, o que significa que eles podem ser melhor em esportes de combate.

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Tratado de Neurologia da Academia Brasileira de Neurologia

Finalista do Prêmio Jabuti 2014, a Associação Brasileira de Neurologia lança livro de estudo essencial para prova de título de especialista. Perguntas e Respostas – Tratado de Neurologia da Academia Brasileira de Neurologia é fundamentado na primeira obra nacional a apresentar todo o conteúdo referente à especialidade, em total consonância com a realidade brasileira: o Tratado de Neurologia da Associação Brasileira de Neurologia (ABN), finalista do Prêmio Jabuti 2014, maior reconhecimento do mercado editorial brasileiro.

O objetivo da Academia Brasileira de Neurologia é estimular neurologistas e neurocientistas a uma constante atualização, sempre com foco nos avanços tecnológicos em genética, imunologia e imagem, que têm proporcionado significativas mudanças na visão diagnóstica, na terapêutica medicamentosa e reabilitadora e, mais recentemente, na prevenção das doenças neurológicas.

Perguntas e Respostas – Tratado de Neurologia da Academia Brasileira de Neurologia está disponível nos formatos impresso e ebook nas lojas virtuais Kobo, Amazon, Google, iba, Cultura, Gato Sabido, Positivo, entre outras.

O legal disso tudo é que você pode ter acesso a trechos desta obra incrível! Quer saber como? É só clicar no link abaixo e aproveitar!

-> Leia e baixe trechos do livro

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone