Atualize seus conhecimentos sobre alimentos, nutrição e dietoterapia

 

Ao contrário do que muita gente pensa, o nutricionista não é responsável apenas pela instrução de pessoas acima do peso. O profissional realiza muito mais do que isso. É sua função cuidar da alimentação de todos os tipos de pessoas, inclusive quem está saudável e precisa incluir opções saudáveis no dia a dia e até quem quer engordar!

Nossa dica de hoje é a 13ª edição do livro “Krause Alimentos, Nutrição e Dietoterapia”, material didático abrangente para os iniciantes, bem como um recurso valioso para o nutricionista experiente.

A obra traz conteúdo rico sobre inflamação, tireoide e doenças relacionadas. Além disso, é um título fundamental, pois abrange até mesmo o novo sistema MyPlate do Departamento de Agricultura dos EUA e os novos gráficos de crescimento da Organização Mundial de Saúde.

Quer conhecer mais sobre a obra Krause Alimentos, Nutrição e Dietoterapia Clique aqui.

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Má alimentação é a luta constante dos nutricionistas

Uma pesquisa realizada pela Consumers International (CI), no ano passado, comprova que mais de 80% das pessoas subestimam o impacto de uma má alimentação não saudável a saúde. Segundo dados divulgados no último ano pelo Ministério da Saúde, 52,5% da população adulta está acima do peso e, dentro dessa parcela, 17,9% estão obesos. Neste, e em outros contexto relacionados à má alimentação, o nutricionista é um importante aliado para ajudar a reverter tais cenários.

O planejamento nutricional individualizado é essencial, fazer perguntas e explorar os sentimentos do paciente sobre o seu peso e dieta e ajudá-lo a estabelecer metas realistas e realizáveis também são partes importantes do processo de adequação da alimentação à saúde.

Nem todas as pessoas têm a mesma relação com a comida, o que pode gerar grandes problemas de saúde. Segundo o livro Fundamentos de enfermagem, 8 ED, ”Um problema nutricional muitas vezes ocorre quando o consumo global está significativamente diminuído ou aumentado, ou quando um ou mais nutrientes não são ingeridos, digeridos completamente ou absorvidos integralmente.” Cabem aos profissionais envolvidos com o tratamento do paciente entenderem suas necessidades e, criarem opções de dietas adequadas a essa realidade. Essa análise das necessidades alimentares é feita por meio de uma avaliação nutricional.

O QUE É AVALIAÇÃO NUTRICIONAL?

O processo de coleta de dados para determinar o estado nutricional de um indivíduo é denominado avaliação nutricional. O médico ou nutricionista qualificado e treinado em nutrição clínica reúne dados para comparar os vários fatores sociais, farmacológicos, ambientais, físicos e clínicos necessários à avaliação das necessidades nutricionais de um indivíduo. O objetivo dessa avaliação é reunir os dados para desenvolver um plano de tratamento nutricional, o qual assegurará, uma vez introduzido, a nutrição adequada para a saúde e o bem-estar. (Fonte: Egan fundamentos de terapia respiratória 9ED)

VIVER BEM SEM EXTREMISMOS

Vivemos atualmente um terrorismo nutricional em que as pessoas não sabem mais o que comer. Quando na verdade devemos percorrer o caminho inverso aos extremismos quando o assunto é alimentação. Procurar ajuda de um nutricionista e adequar sua alimentação ao seu estilo de vida, dietas restritivas feitas por conta própria, nunca são a opção. Além de estressarem o corpo, forçam o cérebro a alterar o metabolismo e o apetite, fazendo a pessoa engordar ainda mais a longo prazo. Não use sites de buscas e receitas mirabolantes como alternativas, procure um médico ou um nutricionista para pedir orientação. Lembre-se que a alimentação está ligada diretamente com a sua saúde. Preserve-a!

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

31 de março – Importância da alimentação para a saúde

Nesta data será comemorado o Dia da Saúde e Nutrição. Ela tem a intenção de conscientizar a população sobre o quão importante é a alimentação correta para a saúde e nos fazer refletir a respeito das disparidades entre as classes ‘’as desigualdades na saúde podem afetar grupos populacionais com base em gênero, idade, etnia, condição socioeconômica, geografia, orientação sexual, incapacidade ou necessidade de cuidados especiais de saúde. As desigualdades na saúde ocorrem quando um grupo de pessoas tem maior incidência ou taxa de mortalidade do que outro.’’

‘’Por que existem essas diferenças nas condições de saúde da população? Como essas diferenças ocorrem? Os determinantes de saúde são aqueles fatores que influenciam a saúde de indivíduos e grupos. Esses fatores influenciam a saúde e a doença e ajudam a explicar porque algumas pessoas apresentam condições de saúde mais precárias que outras.’’

O comportamento do indivíduo também influencia diretamente em sua saúde ‘’seja negativo ou positivo, tal como o consumo de tabaco ou de drogas ilícitas, ou a escolha por um programa de atividade física (30 minutos de atividade moderada na maioria dos dias da semana), são estratégias altamente relacionadas com diversas condições de saúde.’’

Segundo especialistas, a boa alimentação não tem somente a função de satisfazer a fome, mas, principalmente, manter a saúde geral e mental da pessoa, assim como a manutenção da própria vida. ‘’Nutrição é a soma dos processos por meio dos quais uma pessoa recebe e utiliza os nutrientes. O estado nutricional pode ser encarado como um processo contínuo, que começa na subnutrição, passa pela nutrição normal e chega à superalimentação.’’

‘’A nutrição é importante para a obtenção de energia, crescimento, manutenção e reparo dos tecidos corporais. A boa nutrição, na ausência de qualquer processo de doença subjacente, resulta da ingestão de uma dieta balanceada. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Th e United States Department of Agriculture [USDA]) adotou a MyPyramid (www.mypyramid.gov), consiste em grupos alimentares, apresentados nas proporções adequadas para uma dieta saudável.

Os componentes essenciais dos grupos alimentares básicos são os carboidratos, as gorduras, as proteínas, as vitaminas e os minerais. Os requisitos calóricos diários de uma pessoa são influenciados pela estrutura do corpo, idade, gênero e atividade física. Os ajustes na ingestão calórica são necessários, dependendo das alterações no estado de saúde e do nível de atividade diária. A American Dietetic Association’s Evidence-Based Guidelines recomenda a equação de Mifflin-St. Jeor para estimar os requisitos energéticos (calorias) diários de um adulto, com base na taxa metabólica em repouso dos indivíduos.’’

Dica – para uma melhor nutrição, consuma menos alimentos processados e passe a consumir mais alimentos naturais e frescos. A atividade física regular também é benéfica para a saúde e tem efeitos na resposta do corpo à absorção dos nutrientes. Não esqueça de beber bastante água também.

*As aspas presentes no texto foram retiradas do livro TRATADO DE ENFERMAGEM MÉDICO-CIRÚRGICA 8Ed, publicado pela Elsevier.

 

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Dia do nutricionista – A evolução da ciência nutricional

Desde que foi criada a Associação Brasileira de Nutricionistas  (ABN), no dia 31 de agosto de 1949, institui-se que essa seria a data para homenagear  esses profissionais, que são tão importantes em nossas vidas, por atuar na  segurança alimentar e no preparo de dietas, de acordo com as necessidades de casa paciente. O nutricionista atua visando à segurança alimentar e o planejamento no preparo de dietas, de acordo com as necessidades de cada paciente. Os pontos focais nos estudos de um nutricionista são as carências alimentares de cada indivíduo, interpretando a nutrição e alimentação humana através de fatores biológicos, sociais, culturais e políticos. Feita essa análise, o profissional de nutrição poderá garantir uma melhor qualidade de vida a seus pacientes, em todos os ciclos de sua vida.

Os nutricionistas têm um leque bem amplo de atuação no mercado, que vai de atendimentos em consultórios, supervisionamento na produção de alimentos em cozinhas de indústrias e restaurantes, além de atuarem no ramo de competições, com o acompanhamento da alimentação de atletas.

Evolução do tratamento nutricional

A evolução da ciência nutricional vem  acontecendo a partir da identificação das necessidades alimentares e da aplicação prática desse conhecimento para os conceitos que se relacionam com a prevenção de doenças crônicas e degenerativas e o aumento da saúde. O papel da nutrição na redução da inflamação, agora reconhecido como um contribuinte para a doença crônica, defende a conscientização da importância da dieta alimentar na prevenção e tratamento de doenças.

A Terapia Nutricional (TN) inclui a análise, o diagnóstico nutricional, intervenções, acompanhamento e avaliação para a doença. Em alguns casos, a TN é uma medida preventiva poderosa. A lista de doenças passíveis de intervenção nutricional continua a aumentar, especialmente porque centenas de condições são agora conhecidas por terem um componente genético e uma ligação com a via de expressão nutriente-gene. A alimentação sofisticada e os procedimentos de nutrição aumentam as responsabilidades dos nutricionistas. Os transtornos relacionados à nutrição podem ser tratados por mudanças nas práticas alimentares com base no conhecimento atual. O objetivo em todos os casos é encaminhar o indivíduo do tratamento da doença a uma saúde nutricional melhor e ao bem-estar geral. (Krause – Alimentos, nutrição e dietoterapia, Elsevier, 2012)

Sugestão de leitura

A 13ª edição do livro Krause – Alimentos, nutrição e dietoterapia, da editora Elsevier, é um verdadeiro clássico da área, que dá suporte à dietoterapia como o padrão para a nutrição. Estudantes e profissionais vão adotar a linguagem padronizada em suas próprias situações, seja para indivíduos, famílias, grupos ou comunidades, e todos os leitores são encorajados a usar a edição mais recente da Terminologia Internacional de Nutrição e Diagnóstico em sua prática.

Conhecimento científico e informações clínicas são apresentados de maneira úteis para os estudantes de nutrição, enfermagem e outros profissionais de saúde associados em um ambiente interdisciplinar. A obra é bastante valiosa como referência para outras disciplinas, como: medicina, odontologia, desenvolvimento infantil, educação em saúde e aconselhamento de estilo de vida. Os leitores também contaram com auxílios para os estudos, presentes no livro: apêndices, tabelas, ilustrações e quadros de visão clínica fornecendo procedimentos e ferramentas clínicas práticas, tudo para facilitar a compreensão dos alunos da área e afins.

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Fatores responsáveis por quedas e fraturas em idosos

Estudo realizado por Sionara Tamanini de Almeida, Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Fisioterapeuta e Professora de Educação Física da Secretaria Municipal de Educação (SMED/POA) de Porto Alegre, Cristina Loureiro Chaves Soldera,  Mestre em Distúrbios da Comunicação Humana pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Professora-assistente do Curso de Fonoaudiologia da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Geraldo Attilio de Carli, Pós-doutorado no Centre Hospitalier Regional et Universitaire de Rouen, França, Professor Titular de Parasitologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Irênio Gomes, Pós-doutorado no Centre Hospitalier Universitaire de Bicêtre, França, Coordenador do Programa de Pós-graduação em Gerontologia Biomédica da PUCRS e Thaisde Lima Resende, Doutora em Ciências da Saúde pela PUCRS, Professora Titular da Faculdade de Enfermagem, Nutrição e Fisioterapia da PUCRS, com 267 idosos em Porto Alegre analisa os fatores extrínsecos e intrínsecos que predispõem ao risco de quedas e fraturas.

O estudo publicado na edição de julho/agosto, volume 58, número 4 da Revista da Associação Médica Brasileira (RAMB) conclui que os fatores intrínsecos são: faixa etária mais elevada; autopercep­ção ruim da visão e autopercepção ruim da saúde; já os fatores extrínsecos são o tipo de moradia (residir em casa) e a renda mensal igual ou inferior a um salário-mínimo. A Revista da Associação Médica Brasileira (RAMB) é publicada pela Elsevier no Brasil e tem por objetivo divulgar artigos que contribuam para o conhecimento médico.

Leia na íntegra o artigo Análise de fatores extrínsecos e intrínsecos que predispõem a quedas em idosos publicado na Revista da Associação Médica Brasileira (RAMB).

 A Elsevier é líder mundial em publicação de periódicos, com mais de 2.500 títulos, revisados por pares, em todas as áreas de conhecimento. Em seus 430 anos de existência, tem em sua historia marcos como a publicação de originais de Galileu Galilei, Erasmo, Descartes, Alexandre Fleming e Julio Verne. No Brasil a Elsevier tem uma equipe de produção editorial qualificada dedicada à produção de periódicos científicos (journals) em português. Para desenvolver e publicar um periódico científico com a Elsevier entre em contato com periódicos@elsevier.com.br

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone