Jay Duker visita o Brasil para lançamento de “Yanoff e Duker Retina e Vítreo”

 

Para celebrar o lançamento de “Yanoff e Duker Retina e Vítreo“, o Dr. Jay S. Duker vem ao Brasil entre os dias 6 e 8 de abril para participar como speaker em painéis do 42° Congresso da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo.

Yanoff e Duker Retina e Vítreo” fornece conteúdo completo, didático, rico em imagens e contempla as mais recentes técnicas de diagnóstico e tratamentos clínicos e cirúrgicos.

O título faz parte de uma série de autoria dos renomados médicos Myron Yanoff e Jay S. Duker, que são referência para oftalmologistas e retinólogos de todo o mundo. A obra traz informações atualizadas e baseadas em evidências clínicas e discorre sobre doenças que afetam a retina e demais estruturas do segmento posterior do globo ocular, muito comuns na sociedade atual.

Para saber mais sobre Yanoff e Duker Retina e Vítreo clique aqui.

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Doenças respiratórias e de ouvido englobam um terço dos problemas simples em crianças saudáveis

O livro Cummings Otorrinolaringologia Pediátrica, lançado pela Editora Elsevier, auxilia o otorrinolaringologista em sua prática diária, afim de mantê-lo atualizado em tópicos essenciais.

A otorrinolaringologia engloba um terço dos problemas simples em crianças saudáveis, um terço dos problemas simples em crianças com comorbidades e um terço dos problemas de saúde terciários em crianças saudáveis e com doenças complexas. Avanços no tratamento melhoraram significativamente a sobrevida em muitas condições apresentadas na infância, como prematuridade, câncer e doenças cardíacas congênitas.

O livro Cummings Otorrinolaringologia Pediátrica, lançado pela Editora Elsevier, enfoca as duas últimas categorias para auxiliar o otorrinolaringologista em sua prática diária, afim de mantê-lo atualizado em tópicos essenciais. Os capítulos apresentam autores de diversas disciplinas, incluindo diagnóstico e conduta de anomalias e estenos e traqueais, refluxo gastresofágico e doença laríngea, distúrbios da aspiração e deglutição e lesões malignas de cabeça e pescoço em crianças.

O objetivo de Cummings Otorrinolaringologia Pediátrica é fornecer uma fonte atualizada para estudantes, residentes, fellows e médicos, além de refletir a dinâmica e o desenvolvimento gradual desta especialidade. A obra apresenta um capítulo sobre doenças infecciosas pediátricas e descreve abordagem prática para problemas clínicos comuns, bem como a avaliação e conduta nas vias aéreas infantis.

O lançamento da Elsevier oferece subsídios para a implementação de descobertas técnicas e tecnologias recentes e que estão moldando e determinando a evolução dos pacientes pediátricos na otorrinolaringologia.

Cummings

Conteúdo produzido por: Dfreire Comunicação e Negócios

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

No Dia Nacional do Cego inclusão e cuidados caminham juntos

Hoje, na data em que se comemora o Dia Nacional do Cego, vale ressaltar a importância da inclusão de pessoas que não enxergam total ou parcialmente em nossa sociedade. Os deficientes visuais não fazem parte de um mundo à parte e devem ser inseridos em nossa realidade tendo em vistas suas necessidades assim como as dos demais indivíduos. Outro fator importante que cabe ser lembrado, é a importância dos cuidados com os nossos olhos. Doenças como o glaucoma, por exemplo, surgem no decorrer da vida e não têm cura. Mesmo assim, muitos pacientes só procuram os médicos quando não há mais como reverter o quadro. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o glaucoma é a primeira causa de cegueira irreversível no mundo – por ano, são registrados 2,4 milhões de novos casos

1Um achado perturbador, mas consistente ao longo dos estudos populacionais é que uma grande porção de glaucomas permanece não diagnosticada.

Em nações desenvolvidas, 50% dos indivíduos com glaucoma não sabem que têm a doença uma porcentagem que aumenta para 62-75% em populações hispânicas dentro dos Estados Unidos e para mais de 90% em nações em desenvolvimento com acesso precário ao sistema de saúde.

O fato de tantos indivíduos com uma condição de cegueira potencial e tratável estarem inconscientes de que têm a doença ressalta a necessidade de melhores estratégias de varredura para identificar aqueles com glaucoma e tratá-los.

O glaucoma é a segunda principal causa de cegueira no mundo. A frequência de cegueira bilateral entre pessoas com glaucoma varia nas populações,com substancial cegueira bilateral por glaucoma observada em países em desenvolvimento com acesso precário a tratamento ocular e em populações em que o glaucoma de ângulo fechado predomina.

Combinando projeções demográficas com modelos de prevalência para glaucoma de ângulo aberto e ângulo fechado, tem sido estimado que 61 milhões de pessoas pelo mundo tiveram glaucoma em 2010 e 8,4 milhões seriam bilateralmente cegos por causa da doença .

Espera-se que o crescimento e o envelhecimento da população mundial resultem em significativo aumento desses números. Enquanto GPAF permanece menos comum do que GPAA, espera-se que o número de indivíduos cegos pelos dois tipos de glaucoma seja aproximadamente igual, dada a alta morbidade do GPAF.

Associações vistas em estudos populacionais transversais ajudam a definir quem está em risco para a doença, mas elas não necessariamente explicam causalidade. Dito isto, existem claras associações vistas na literatura considerando o risco de GPAA e GPAF.

¹ Trecho extraído do livro  YANOFF – OFTALMOLOGIA 3ED

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Problemas de visão são uma realidade para a maioria dos brasileiros

Segundo o IBGE, pelo menos 36,5 milhões de brasileiros têm algum problema de visão. As doenças mais comuns são conjuntivite, miopia e hipermetropia, astigmatismo, presbiopia, glaucoma e catarata, sendo que 28,7% dos brasileiros com mais de 60 anos sofrem desta última.

Além dos adultos, segundo estimativa do Conselho de Oftalmologia Brasileiro, mais de 250 mil crianças, entre 5 e 15 anos, também têm dificuldades para enxergar. Os problemas acarretados podem causar prejuízo no desenvolvimento da visão das crianças afetadas. Por este motivo, é importante que as pessoas próximas à criança fiquem atentas aos primeiros sinais de que algo está errado, contrair muito as pálpebras, apresentar olhos avermelhados, ressecamento das vistas e dores de cabeça constantes são sintomas que podem indicar dificuldade de enxergar. Se já houver casos registrados de doenças na visão dentro da família, a atenção deve ser redobrada.

Devido ao uso excessivo das telas, cada vez mais pessoas sofrem danos oftalmológicos, uma vez que, o contato com esses aparelhos exige mais da visão, e atualmente a maioria dos adultos só passa por consulta oftalmológica quando vai renovar a carteira de habilitação. Isso também explica porque o último censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indica que metade das pessoas que têm algum problema de visão continuam não enxergando bem, mesmo usando óculos de grau. Na infância, um levantamento feito com 36 mil crianças mostra que 70% nunca foi ao oftalmologista.

PARA AUXILIAR OS OFTALMOLOGISTAS

A Elsevier, uma das mais conceituadas provedoras de conteúdo nas áreas de Ciência, Tecnologia e Saúde do mundo, traz ao mercado brasileiro dois lançamentos na área de oftalmologia, setor que, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), tem grande demanda por tratamento. Os livros Yanoff & Duker Catarata e Cirurgia Refrativa e nova edição da “Kanski Oftalmologia Clínica, uma Abordagem Sistêmica” apresentam conteúdo que servem como base em diversas situações oftalmológicas

Escrito por Myron Yanoff, oftalmologista respeitado e reconhecido mundialmente, e Jay S. Durker, Diretor do New England Eye Center, Yanoff & Duker Catarata e Cirurgia Refrativa traz conteúdo especializado para pacientes com transtornos refrativos e do cristalino. O título apresenta as técnicas e procedimentos mais atuais em 27 capítulos e 13 vídeos auxiliares, de forma completa, objetiva e didática. O livro é uma referência para profissionais de todo o mundo e conta com imagens que descrevem as cirurgias de catarata e refrativa, incluindo a preparação, a técnica utilizada, resultados e suas complicações.

Em sua 8ª edição, Kanski Oftalmologia Clínica, uma Abordagem Sistêmica foi completamente atualizado pelo autor, o experiente Dr. Brad Bowling, e traz os mais recentes avanços da Oftalmologia. Conta com mais de 2.600 imagens, ilustrações e esquemas, sendo que 900 são novidades desta edição.  O livro é didático e altamente recomendado de acordo com a última edição do British Medical Association Book Awards 2012 e traz conteúdo que pode servir de base para oftalmologistas em residência e também a profissionais experientes. O formato visualmente dinâmico proporciona fácil compreensão e fornece orientação centrada no diagnóstico e no tratamento de doenças oftálmicas.

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Brincar ao ar livre pode diminuir a chance de desenvolvimento de miopia em crianças

A miopia é um distúrbio visual em que as projeções são formadas na frente da retina fazendo com que as imagens distantes fiquem desfocadas. Segundo a OMS (organização mundial de saúde) a incidência mundial de miopia dobrou nas últimas 2 décadas e tem sido considerada como um grande problema de saúde pública, sobretudo em países em desenvolvimento onde o acesso a consultas e óculos ainda é limitado.

Os principais fatores associados ao aumento da incidência de miopia, sobretudo em jovens tem sido o excesso de atividades para perto (desde escolares a video games e computadores) associado a uma diminuição crescente de atividades ao ar livre em que há maior utilização da visão para longe. Em um estudo brasileiro com 360 crianças, de 9 e 13 anos de idade, que usavam até 6 horas ininterruptas o computador ou videogame revelou que 21% das crianças apresentaram miopia.

ESTUDO É REALIZADO PARA ENTENDER CAUSAS DE MIOPIA EM JOVENS

Em setembro de 2015 foi publicado um estudo no JAMA (jornal da associação médica americana) demonstrando uma relação entre o tempo dedicado a atividades ao ar livre e o desenvolvimento de miopia entre crianças. O estudo foi conduzido por um grupo de pesquisadores chineses liderados pelo Dr. Mingguang He da Universidade de Sun Yat-sen em Guangzhou na China e avaliou 2 grupos de crianças de 6 anos de idade em 12 escolas diferentes: no primeiro grupo 951 crianças além de manter suas atividades escolares regulares foram estimuladas a participar de atividades recreacionais ao ar livre por 40 minutos diariamente.

No grupo controle foram avaliadas 952 crianças que mantiveram apenas suas atividades escolares regulares. Os resultados em 3 anos de acompanhamento demonstraram o desenvolvimento de miopia em 30% das crianças que brincaram diariamente por 40 minutos ao ar livre, contra 40% no grupo de crianças que apenas mantiveram suas atividades escolares.

Os resultados deste estudo são condizentes com estudos prévios sobre associação de miopia com atividades escolares para perto. Em algumas escolas da China barras e grades nas carteiras escolares tem sido propostos para evitar este efeito.

Esse fenômeno ocorre pois durante a infância o olho está em desenvolvimento sendo mais vulnerável à acomodação resultando no aumento do tamanho do globo ocular e induzindo a miopia.

Artigo escrito por:

Gabriel Costa de Andrade – Médico pós-graduando na UNIFESP – EPM e autor do livro Atlas de doenças da Mácula.

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone