Proteja o seu cérebro: use-o ou perca-o

Saiba como reduzir seu risco de demência.

Protegendo o seu cérebro: “use-o ou perca-o”

Há algum tempo os pesquisadores têm conhecimento de uma ligação entre o que fazemos com os nossos cérebros e os riscos de demência a longo prazo. Em geral, aqueles que são mais mentalmente ativos ou mantêm um estilo de vida cognitiva ativo ao longo de suas vidas estão em risco mais baixo.

“As ideias de uma ‘reserva cerebral’ ou ‘reserva cognitiva’ têm sido sugeridas para explicar isso, mas eram basicamente uma caixa preta”, disse o Professor Michael J. Valenzuela, um especialista em envelhecimento do cérebro no Instituto de Pesquisa de Cérebro e Mente, na Universidade de Sydney, na Austrália, que liderou o estudo, apresentado em Biological Psychiatry.

Leia mais…

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Miopia Degenerativa

Yanof, Oftalmologia 3/E

 

Definição: Forma pouco compreendida de miopia axial que pode estar associada a complicações que levam à cegueira.

 

Características principais

■ Progressiva expansão do globo ocular com formação de estafiloma posterior e degeneração macular secundária.

 

Características associadas

■ Formação de catarata prematura.
■ Sinérese do vítreo.
■ Descolamento regmatogênico da retina.
Glaucoma.
■ Retinosquise foveal.

Leia mais…

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Imagens Oftalmológicas de Pacientes com Oftalmia Simpática


YANNUZZI, Atlas de Retina 1/E

Oftalmia Simpática
A oftalmia simpática é uma uveíte granulomatosa que acomete  o olho contralateral após traumas penetrantes cirúrgicos ou acidentais no outro olho. O aparecimento da inflamação no olho contralateral pode ocorrer dias ou anos após a lesão desencadeante, mas geralmente se dá nos primeiros meses. A princípio, os pacientes relatam desconforto ocular brando, visão borrada, fotofobia e perda de acomodação. Dentre os achados oculares, incluem-se a presença de células e flare na câmara anterior e de precipitados ceráticos no endotélio da córnea. No segmento posterior, as alterações incluem papilite, vitrilite e um descolamento neurossensorial exsudativo que pode mimetizar a doença de Harada. Pequenos pontos amarelo-esbranquiçados, abaixo do EPR, conhecidos como nódulos de Dalen-Fuchs, caracterizam esta doença. O tratamento geralmente envolve o uso de corticosteroides ou outros agentes imunossupressores, com graus variáveis de sucesso. A enucleação do olho que desencadeou a inflamação, após seu início, ainda é controversa.

Leia mais…

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone