Os perigos da exposição solar

 

Faltando pouco menos de um mês para a chegada do verão, a tentativa de conseguir o bronzeado perfeito pode ter um resultado preocupante. Nos últimos dez anos, as mortes por câncer de pele saltaram 55% no Brasil, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Devido ao aumento constante de casos, o tema tem chamado atenção tanto das diversas especialidades médicas como da população em geral, especialmente pela diversidade de tratamentos disponíveis, o que gera um impacto positivo na qualidade de vida e de sobrevida dos pacientes.

A exposição à radiação ultravioleta (RUV) gera benefícios físicos e psicológicos, principalmente em relação à produção de vitamina D e à prevenção de doenças, como osteoporose e raquitismo, além de auxiliar no tratamento de doenças, como psoríase, vitiligo e dermatite atópica. Por outro lado, a exposição excessiva a esse tipo de radiação é responsável por causar muitas doenças, tanto na pele como queimaduras solares, envelhecimento precoce e cânceres de pele do tipo melanoma e não melanoma (CPNM), quanto nos olhos, com o desencadeamento de catarata e pterígio.

Texto escrito com informações do livro Oncologia Cutânea.

 

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Na luta contra o câncer, equipamento israelense é um forte aliado

Os médicos têm tentado de tudo para amenizar o sofrimento e diminuir o período de tratamento das pessoas diagnosticadas com câncer. Um método que já vem sendo utilizado desde 2011 é o equipamento de super desempenho chamado “High Intense Focus Ultrassound” (Hifu), que ajuda no combate ao câncer. A máquina que é a junção do ultrassom de alta intensidade com a ressônancia magnética, concentra até mil feixes de energia ultrassônica com extrema precisão em um tumor no interior do corpo.

‘’A tecnologia utilizada no Hifu permite a terapia por calor utilizando ondas sonoras de alta energia. O calor causa a destruição do tumor (ablação térmica). Para se localizar o tecido que se deseja tratar, no interior do corpo, são empregadas técnicas de imagem como a Ressonância Magnética ou a Ultrassonografia’’, explica o Doutor em oncologia  e autor  do livro Oncologia da série Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (editora Elsevier), Rubens Chojniak.

Cada feixe passa através do corpo sem causar lesão e ao atingir um ponto selecionado, os raios elevam a temperatura nesse local. O maior benefício proporcionado pelo Hifu é não necessitar de cortes e cirurgia ou internações para realização do procedimento. O método dura duas horas e o paciente fica consciente durante todo o processo, podendo voltar para casa no mesmo dia.  

O procedimento é pioneiro na América do Sul. Segundo o Dr. Chojniak “esta tecnologia ainda está em fase de incorporação e tem sido mais utilizada em casos de tumores ósseos, miomas, e cânceres de próstata. No AC Camargo Cancer Center, onde trabalho há um equipamento em operação pelo Núcleo de Urologia, destinado exclusivamente ao tratamento de Câncer de prostáta. Este equipamento utiliza o exame de ultrassom para realizar o tratamento com HIFU”. Em uma segunda fase, a ideia é ampliar seu uso para outras áreas da oncologia, podendo assim atender outras variações de câncer.

Imagem: portaldaradiologia

Imagem: portaldaradiologia

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Novembro Azul contra o câncer de próstata

Novembro Azul

No intuito de conscientizar a população masculina sobre o câncer de próstata, visando a diminuir a taxa de mortalidade, que ainda é alta, o Instituto Lado a Lado pela Vida e a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) desenvolvem o Novembro Azul, uma iniciativa que já faz parte do calendário nacional das campanhas de prevenção no Brasil. O objetivo é combater a doença e, principalmente, motivar a população masculina a fazer exames preventivos.

O câncer de próstata é o câncer mais frequente no sexo masculino, ficando atrás apenas do câncer de pele não menaloma. Estatísticas apontam que a cada seis homens, um é portador da doença. A estimativa é de que, em 2014, 69 mil novos casos sejam diagnosticados, ou seja, a descoberta de um caso a cada 7,6 minutos.

A SBU recomenda que homens a partir de 50 anos procurem seu urologista para discutir a prática e a realização da avaliação. Aqueles com maior risco da doença (história familiar, raça negra) devem procurar o urologista a partir dos 45 anos. Os exames consistem na dosagem sérica

do PSA e no exame digital retal, com periodicidade anual.

Esta prática está relacionada à diminuição de cerca de 21% na mortalidade pela doença em estudos de grande porte e longo seguimento.

Sobre o Câncer de Próstata

A próstata é uma glândula do aparelho reprodutor masculino, que pesa cerca de 20 gramas, de forma e tamanho semelhantes a uma castanha. Ela localiza-se abaixo da bexiga e sua principal função, juntamente com as vesículas seminais, é produzir o esperma.

No Brasil, o câncer de próstata é o segundo tipo de câncer mais frequente em homens, após os tumores de pele. A doença pode demorar a se manifestar, exigindo exames preventivos constantes para não ser descoberta em estágio avançado e potencialmente fatal. Ela acontece quando as células deste órgão começam a se multiplicar de forma desordenada. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de próstata é o sexto tipo mais comum de câncer no Brasil.

Fonte: Sociedade Brasileira de Urologia – http://www.sbu.org.br/

 

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone