Profissionais de enfermagem necessitam de melhorias nas condições de trabalho

O dia 12 de maioDia Mundial do Enfermeiro – marca o início de um período de atividades  em muitos hospitais dentro e fora do Rio de Janeiro, que prossegue até o dia 20 – Dia do Auxiliar e do Técnico de Enfermagem – para comemorar e enaltecer o importante e essencial papel dos profissionais da Enfermagem para a sociedade. Homenagens em reconhecimento ao trabalho em benefício do bem-estar da humanidade se misturam à realização de atividades voltadas ao aperfeiçoamento profissional. As condições de trabalho fornecidas a esses profissionais ainda estão longe de serem perfeitas, mas aos poucos governo e o COREN – Conselho Regional de Enfermagem, vêm trabalhando para que haja uma melhoria nestas condições, valorização e segurança do profissional de enfermagem.

AMBIENTE DE TRABALHO SAUDÁVEL É FUNDAMENTAL NA ÁREA DE SAÚDE

O ambiente de assistência à saúde é estressante, e desafios crescentes nas áreas de restrições financeiras, exigências regulatórias, o olhas atento do consumidos, tecnologias e esquemas de tratamento em rápida evolução e mudança, além da diversidade dos profissionais, contribuem para a ocorrência de conflitos e dificuldades diariamente. Nesse ambiente, é essencial oferecer apoio aos profissionais de saúde de forma a aliviar esses desafios e garantir um local saudável para trabalhar.

Há cada vez mais evidências de que ambientes de trabalho insalubres levam a erros médicos, à monitoração insatisfatória da segurança, à comunicação ineficaz entre profissionais de saúde e a mais conflito e estresse entre esses profissionais. Uma síntese das pesquisas na área de ambiente de trabalho demonstrou que uma combinação de estilos e características de liderança contribui para o desenvolvimento e a manutenção de ambientes de trabalho sadios.

Fonte: Cuidados intensivos de enfermagem

¹PADRÕES PARA  AVALIAÇÃO DE ENFERMAGEM

Os cuidados de enfermagem ajudam os clientes a resolver problemas de saúde reais, previnem a ocorrência de potenciais problemas e mantêm um estado saudável.O processo de avaliação de enfermagem é um passo essencial para esse fim. A American Nurses Association (ANA) define parões de prática profissional de enfermagem, que incluem padrões para a etapa de avaliação do processo de enfermagem. Os padrões são declarações oficiais dos deveres que se espera que todas as enfermeiras executem com competência, independentemente do papel, da população de clientes atendidos ou da sua especialidade. As competências para a avaliação de enfermagem incluem ser sistemático e usar a avaliação baseada em critérios, colaborar com clientes e outros profissionais, utilizar dados de investigação contínua para revisar o plano e comunicar os resultados aos clientes e familiares.

²CÓDIGO DE ÉTICA DO PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM

O profissional de enfermagem, em todas as relações profissionais, exerce a prática com paixão e respeito à dignidade, ao valor e à individualidade inerente a cada indivíduo, independentemente da condição social ou econômica, dos atributos pessoais ou da natureza do problema de saúde apresentado pela pessoa.

  • O principal compromisso da enfermagem é com o cliente, seja um indivíduo, uma família, um grupo ou uma comunidade.
  • O profissional de enfermagem promove , defende (advocacy/advoga) e envia todos os esforços para proteger a saúde, a segurança e os direitos do cliente.
  • O profissional de enfermagem é responsável e tem o dever de prestar contas pela prática individual da profissão e determina a delegação adequada de tarefas pertinentes ao dever da enfermagem, para otimizar a oferta de cuidados ao cliente.
  • O profissional de enfermagem tem os mesmos deveres que os outros profissionais, por ser também responsável pela preservação da integridade e da segurança do cliente, pela manutenção de sua competência e pelo crescimento pessoal e profissional contínuo.
  • O profissional de enfermagem participa do estabelecimento, da manutenção e da melhoria do ambiente do ambiente de cuidados e das condições de trabalho com vistas à oferta de cuidado à saúde com qualidade e consistente com os valores da profissão por meio de ações individuais e coletivas.
  • O profissional de enfermagem participa do avanço da profissão, contribuindo para a prática, a educação, a administração e o desenvolvimento do conhecimento.
  • O profissional de enfermagem colabora com outros profissionais de saúde e com o público em geral na promoção dos esforços comunitários, nacionais e internacionais para atender às necessidades de saúde.

A enfermagem como profissão é representada pelas organizações profissionais e por seus membros; é responsável pela articulação dos valores, pela manutenção da integridade da sua prática e pela formulação de políticas sociais.  

 

¹²Fonte: Fundamentos de Enfermagem 

Imagem: Google

 

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

É necessário pensar políticas para diminuir o consumo de bebidas com adição de açúcar

Recentemente a revista médica The Lancet, que é publicada no mundialmente pela Elsevier, realizou um estudo olhando para um tema já amplamente debatido: o consumo de bebidas adoçadas com açúcar. Os pesquisadores Barry Popkin e Corina Hawkes, traçaram rankings de países que mais consomem esse tipo de bebida, e uma das descobertas é que o mercado norte americano já não é o líder de consumo, caindo para a terceira posição.

A América Latina, mais especificamente o Chile  é o maior consumidor de bebidas açucaradas,  com uma média de 190 calorias vendidas por pessoa, ao dia. China, Tailândia e Brasil – que ocupa o décimo lugar – também têm visto um aumento nas vendas.

Segundo os pesquisadores, houve uma queda significativa no consumo de refrigerantes em alguns países, mas houve um aumento na venda de sucos de frutas, bebidas com sabor artificial e as energéticas contendo altos teores de açúcar.

A pesquisa do The Lancet mostra que no México, iniciativas como campanhas voltadas à população para reduzir o consumo deste tipo de bebida aliadas a uma política controversa de aumento de impostos têm conseguido resultados positivos.

NA ÍNTEGRA A CONCLUSÃO DA PESQUISA PUBLICADA PELA THE LANCET

As evidências sugerem que a ingestão excessiva de açúcares adicionados tem efeitos adversos sobre a saúde cardiometabólica, o que é consistente com muitos comentários e relatórios de consenso da Organização Mundial da SaúdeOMS e de outras fontes imparciais. Ao todo, 74% dos produtos no fornecimento de alimentos dos Estados Unidos contêm adoçantes calóricos ou de baixas calorias, ou ambos. De todos os alimentos embalados e bebidas comprados por uma amostra nacionalmente representativa de domicílios dos EUA em 2013, 68% (em proporção de calorias) contêm adoçantes calóricos e 2% contêm adoçantes de baixas calorias. Acreditamos que, na ausência de intervenção, o resto do mundo vai avançar para essa difusão da adição de açúcares no fornecimento de alimentos. A nossa análise de tendências em vendas de bebidas adoçadas com açúcar ao redor do mundo, em termos de calorias e o volume vendido por pessoa por dia, mostra que as quatro regiões com o maior consumo são: América do Norte, América Latina, Austrália, e Europa Ocidental. O crescimento mais rápido absoluto nas vendas de bebidas adoçadas com açúcar por país foi visto no Chile. Acreditamos que é necessário agir para combater os altos níveis e crescimento contínuo nas vendas de tais bebidas em todo o mundo. Muitos governos iniciaram ações para reduzir o consumo de bebidas adoçadas com açúcar nos últimos anos, incluindo a tributação (por exemplo, no México); redução de sua disponibilidade nas escolas; restrições à comercialização de alimentos açucarados para crianças; campanhas de conscientização pública; e rotulagem positiva e negativa na frente da embalagem. Em nossa opinião, a prova da eficácia destas ações mostra que eles estão se movendo na direção certa, mas os governos devem vê-las como um processo de aprendizagem e melhorar o seu projeto ao longo do tempo. Um dos principais desafios para os decisores políticos e pesquisadores é a ausência de um consenso sobre a relação das bebidas com adoçantes de baixas calorias e sucos de frutas com desfechos cardiometabólicos, já que as decisões sobre se estes são substitutos saudáveis ​​para bebidas adoçadas com açúcar são uma parte integrante da formulação de políticas.

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

31 de março – Importância da alimentação para a saúde

Nesta data será comemorado o Dia da Saúde e Nutrição. Ela tem a intenção de conscientizar a população sobre o quão importante é a alimentação correta para a saúde e nos fazer refletir a respeito das disparidades entre as classes ‘’as desigualdades na saúde podem afetar grupos populacionais com base em gênero, idade, etnia, condição socioeconômica, geografia, orientação sexual, incapacidade ou necessidade de cuidados especiais de saúde. As desigualdades na saúde ocorrem quando um grupo de pessoas tem maior incidência ou taxa de mortalidade do que outro.’’

‘’Por que existem essas diferenças nas condições de saúde da população? Como essas diferenças ocorrem? Os determinantes de saúde são aqueles fatores que influenciam a saúde de indivíduos e grupos. Esses fatores influenciam a saúde e a doença e ajudam a explicar porque algumas pessoas apresentam condições de saúde mais precárias que outras.’’

O comportamento do indivíduo também influencia diretamente em sua saúde ‘’seja negativo ou positivo, tal como o consumo de tabaco ou de drogas ilícitas, ou a escolha por um programa de atividade física (30 minutos de atividade moderada na maioria dos dias da semana), são estratégias altamente relacionadas com diversas condições de saúde.’’

Segundo especialistas, a boa alimentação não tem somente a função de satisfazer a fome, mas, principalmente, manter a saúde geral e mental da pessoa, assim como a manutenção da própria vida. ‘’Nutrição é a soma dos processos por meio dos quais uma pessoa recebe e utiliza os nutrientes. O estado nutricional pode ser encarado como um processo contínuo, que começa na subnutrição, passa pela nutrição normal e chega à superalimentação.’’

‘’A nutrição é importante para a obtenção de energia, crescimento, manutenção e reparo dos tecidos corporais. A boa nutrição, na ausência de qualquer processo de doença subjacente, resulta da ingestão de uma dieta balanceada. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Th e United States Department of Agriculture [USDA]) adotou a MyPyramid (www.mypyramid.gov), consiste em grupos alimentares, apresentados nas proporções adequadas para uma dieta saudável.

Os componentes essenciais dos grupos alimentares básicos são os carboidratos, as gorduras, as proteínas, as vitaminas e os minerais. Os requisitos calóricos diários de uma pessoa são influenciados pela estrutura do corpo, idade, gênero e atividade física. Os ajustes na ingestão calórica são necessários, dependendo das alterações no estado de saúde e do nível de atividade diária. A American Dietetic Association’s Evidence-Based Guidelines recomenda a equação de Mifflin-St. Jeor para estimar os requisitos energéticos (calorias) diários de um adulto, com base na taxa metabólica em repouso dos indivíduos.’’

Dica – para uma melhor nutrição, consuma menos alimentos processados e passe a consumir mais alimentos naturais e frescos. A atividade física regular também é benéfica para a saúde e tem efeitos na resposta do corpo à absorção dos nutrientes. Não esqueça de beber bastante água também.

*As aspas presentes no texto foram retiradas do livro TRATADO DE ENFERMAGEM MÉDICO-CIRÚRGICA 8Ed, publicado pela Elsevier.

 

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Data ressalta importância do cuidado com a saúde dos animais

No dia 14 de março comemoraremos o Dia Nacional do Animal. A data,  que é um marco, serve para informar aos cuidadores sobre as necessidades e direitos dos animais irracionais. Ela foi criada também para conscientizar sobre a importância no cuidado com a vida dos bichos e legislar em função do amparo e proteção deles.

Cuidar bem de um animal não é somente não maltratá-lo, por se tratar de seres vivos as doenças que os acometem poder ser bastante parecidas com as nossas. Mesmo que o animal não apresente nenhum indício de enfermidade, o ideal é que os donos o levem periodicamente ao veterinário para que seja realizado um check-up de rotina. Alterações no temperamento, falta de apetite, o até mesmo outras mudanças mais sutis,  podem representar problemas sérios.  

Os animais, assim como nós, sofrem ao desenvolver algum tipo de doença e, embora eles não se comuniquem como os seres humanos, precisam dos mesmos cuidados. Você pode achar que depressão é uma doença exclusiva da nossa espécie, mas, acredite, animais também podem desenvolver esse mal e até morrerem se não forem tratados corretamente.  A depressão é um conjunto de problemas  ¹” de humor caracterizados por perturbações do sono, inibição psicomotora e estado retraído, bem como ausência de adaptação às variações do ambiente. O estado depressivo pode ser agudo ou crônico”.

No estado depressivo agudo nota-se no animal a ²”perda de interesse por seu ambiente, hipersônia, inibição do comportamento exploratório, hiporexia (senão anorexia) e, às vezes, enurese e encoprese. As causas são: agressão violente (acidente de circulação), perda de referência socioafetiva (abandono, morte do dono ou de um outro animal) e filhotes rejeitados precocemente por suas mães”. Já na depressão crônica ¹”notam-se distúrbios do sono com despertar brusco, micções e defecações no local de dormir (enurese e encoprese), disorexia e perda das interações sociais”. O tratamento para o primeiro caso é feito a base de medicamentos, associados a uma terapia de estruturação por jogos (o esporte agility também é recomendado para cães adultos), no segundo as funções endócrinas devem ser verificadas. Em alguns casos é necessário a introdução de psicotrópicos no tratamento.

ORIGEM DO DIA NACIONAL DOS ANIMAIS

O Dia Nacional dos Animais foi instituído a partir da apresentação do Estatuto dos Animais, no Congresso Nacional, através de propositura do deputado Eliseu Padilha, consolidando os direitos dos irracionais e os deveres que para com eles devem ter os humanos.

Trata-se de um dia para ser lembrado e incentivado em sua comemoração, já que se presta a repensar as atitudes que nós, humanos, temos para com o meio ambiente e a preservação dos biomas necessários à manutenção da vida animal e aos cuidados que precisamos ter com os animais mais próximos, os domésticos, que nos acompanham e nos trazem alegria, paz, carinho e amor. (fonte: calendariobr)

¹²Trechos retirados do livro Manual Elsevier de Medicina veterinária, Elsevier

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

08 de março: a conquista pela saúde e vida da mulher

O dia internacional da mulher é uma celebração dedicada as conquistas sociais, políticas e econômicas das mulheres, comemorada todos os anos em 8 de março. Teve origem na Rússia, na Primeira Guerra Mundial, através de manifestações realizadas por mulheres que reivindicavam melhores condições de vida e trabalho.

Somente após a instituição os direitos das mulheres por lei (apenas a partir do século XVIII a reivindicação desses direitos começou a ser discutida), questões como a saúde da mulher, o processo gestacional e suas necessidades, ganharam mais atenção e novos estudos foram criados e aprimorados para que os cuidados fossem efetivos e humanizados.

”Os cuidados com a saúde da mulher englobam os cuidados com a saúde reprodutiva e as necessidades físicas, psicológicas e sociais das mulheres ao longo de sua vida. Cada mulher, com sua individualidade, possui necessidades que devem ser identificadas e atendidas”. (Saúde da Mulher e Enfermagem Obstétrica, 10 Ed., Elsevier)

Com pesquisas desenvolvidas a partir de suas necessidades, hoje o número de mortalidade de mulheres é bem menor do que em relação ao século XIX e XX. As gestantes têm a lei a seu favor, zelando pela garantia de emprego, direito à privacidade, mudança de função ou de setor de acordo com o seu estado de saúde. Exames importantes para à prevenção da saúde da mulher são realizados periodicamente, como: o papanicolau, exame pélvico, mamografia, entre outros.  

O câncer de mama, por exemplo, é uma das doenças com maior incidência na população feminina brasileira e mundial. Apesar do alto número de mulheres acometidas por essa enfermidade, no Brasil, políticas públicas já vem sendo desenvolvidas nesta área desde meados da década de 80.

Atualmente, ”nos cuidados da saúde da mulher, o objetivo é a promoção do seu bem estar, pelo conhecimento do próprio corpo e de seu funcionamento normal ao longo da vida, desenvolvendo uma consciência das condições que requerem intervenção profissional. A unidade de cuidados de saúde da mulher enfatiza os aspectos relacionados ao seu bem estar, incluindo informações sobre problemas ginecológicos comuns, assim como as formas de prevenção do câncer de mama e ginecológico”. (Saúde da Mulher e Enfermagem Obstétrica, 10 Ed., Elsevier)

UM POUCO MAIS SOBRE A DATA

Após a Primeira Guerra Mundial e a Segunda Revolução Industrial, devido às baixas no exército e a grande necessidade de mão de obra, as indústrias incorporaram mulheres em seu quadro de funcionários, porém, as condições insalubres de trabalho e cargas horárias elevadíssimas, fizeram com que os protestos se tornassem frequentes.

Por muito tempo o dia internacional da mulher ficou esquecido, sendo recuperado somente nos anos 60 como movimento feminista. Atualmente, a data tem um caráter mais festivo e comercial, sendo adotada pelas Nações Unidas e, consequentemente, por diversos países.

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Aumento da obesidade infantil assusta especialistas

A quantidade de jovens a cima do peso vem  crescendo alarmantemente em todo mundo, principalmente em crianças de faixa etária abaixo de 5 anos. Nos últimos 15 anos o excesso de peso em crianças até essa idade, aumentou em 10 milhões. A taxa que era  48% em 1990, passou para os atuais 6,1% em 2016. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o quadro vem se agravando tão rapidamente que já é considerado um pesadelo explosivo nos países em desenvolvimento.

Mesmo assim, o fenômeno ainda não é abordado com a seriedade que merece, sendo, muitas vezes, tratado como uma consequência do estilo de vida das famílias e não um problema de saúde pública. Especialistas ressaltam a importância que o governo e órgãos de saúde têm para discutir esse tema, e alertam que a epidemia de obesidade poderá reverter muitos dos benefícios para a saúde que contribuíram para o aumento da longevidade observada no mundo.

ALGUNS EFEITOS DA OBESIDADE

Sobrepeso e obesidade também constituem fatores de risco para o aparecimento de diabete melito tipo 2, neoplasias diversas, doenças musculoesqueléticas, litíase biliar, hiperuricemia, apneia do sono, infertilidade e depressão. Segundo uma análise epidemiológica efetuada pela OMS, IMC maior ou igual a 21 kg/m2 são responsáveis por 58% dos casos de diabete melito tipo 2, 21% dos casos de insuficiência coronariana e por 8 a 42% dos casos de câncer no mundo. Dentre o total de casos de diabete melito no planeta, 85% são do tipo 2 e 90% desses pacientes apresentam excesso de peso.

Em países desenvolvidos, estima-se que o custo direto do tratamento do excesso de peso alcance 7% dos gastos com o setor saúde. Somente nos Estados Unidos da América (EUA), o custo anual com o tratamento de obesidade e suas complicações ultrapassa os 100 bilhões de dólares. Ainda nos EUA, o índice de mortalidade cardiovascular aumentou em torno de duas vezes em indivíduos obesos, sendo as complicações relacionadas ao excesso de peso consideradas a segunda causa evitável de morte, logo após o tabagismo. Chama a atenção o aparecimento de diabete melito tipo 2 infantojuvenil associado à obesidade, uma doença que no passado recente era raríssima nesta faixa etária. Existe o risco de que a expectativa de vida dos norte-americanos em gerações futuras seja menor do que a atual em decorrência das complicações da obesidade. (Trecho retirado do livro Hipertensão, 2º Edição, publicado pela Elsevier)

A CULPA NÃO É DAS CRIANÇAS

Segundo a OMS, um dos maiores contribuintes para que as crianças comam cada vez pior e para a atual epidemia de obesidade infantil têm sido o marketing e a publicidade, que impactam significativamente, não somente na escolha de um produto como também na preferência da marca deste produto pelas crianças. Estudos realizados com meninos  e meninas com menos  de 5 anos e pessoas de outras faixas etárias, concluíram que quanto mais jovem, maior a influência exercida pela exposição a anúncios de televisão e internet.

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone