Elsevier lança obras de enfermagem no CBEn

Sempre com o intuito de levar ao público o que há de melhor na literatura da área de enfermagem, a editora Elsevier marca presença em um dos mais importantes eventos do ramo, o 67º Congresso Brasileiro de Enfermagem (CEBEn). Na ocasião serão lançados os livros Atenção primária em saúde e Exame físico na prática clínica da enfermagem, da editora Elsevier, serão lançados no dia 29 de outubro (quinta-feira), às 19h. Os autores falarão sobre os livros e ainda organizarão uma sessão de autógrafos no estande 9. O evento, que é realizado pela Associação Brasileira de Enfermagem – ABEn  Seção SP, no período de 27 a 30 de outubro, tratará o tema – “Para onde caminha a Enfermagem Brasileira?”. Ancorados pela história dos congressos anteriores e, considerando a experiência acumulada pelos segmentos e áreas da enfermagem. A construção da temática do CBEn 2015, se deu a partir de oficinas oferecidas por representantes dos serviços de saúde, de instituições de ensino e dos órgãos de classe.

CONHEÇA UM POUCO MAIS SOBRE OS TÍTULOS QUE SERÃO LANÇADOS PELA ELSEVIER NO CBEn

Atenção primária em saúde

O livro detalha o método de construção dos subconjuntos e permite que o profissional de enfermagem conheça e elabore os subconjuntos de diagnósticos voltados para a atenção primária. Eles são entendidos como uma fonte competente de informação para apoiar a implementação de sistemas de registros eletrônicos que usem a CIPE®, garantindo maior autonomia no atendimento aos pacientes.

Exame físico na prática clínica da enfermagem

Está obra foi elaborado por enfermeiros,  em sua maioria professores de renomadas instituições, para ajudar a combater a dificuldade que os alunos da área têm de aplicar a Sistema­tização da Assistência de Enfermagem (SAE), seja por enfermeiros ou graduandos, com vistas à elaboração de diagnósticos  de enfermagem consistentes para a prestação do cuidado.

INFORMAÇÕES DO EVENTO

27 a 30 de Outubro de 2015
Palácio das Convenções – Anhembi, São Paulo – SP

Lançamentos Elsevier: 29 de outubro, às 19h – Estande 9

 

 

A saúde bucal também merece atenção

No dia 25 de outubro (domingo) será comemorado o Dia Nacional do Dentista. A data é dedicada a conscientizar a sociedade da importância de manter uma boa higiene bucal, pois é durante a consulta que o dentista avalia a boca como um todo, podendo atuar na prevenção de problemas como gengivite, cáries e inflamações, além de conseguir tratá-los previamente. As consultas devem ser realizadas regularmente, a orientação é que sejam a cada seis meses, para garantir a manutenção da saúde dos dentes e da gengiva.

Em um primeiro momento, o dentista avalia a presença de cáries, o estado das gengivas, a mordida, a saliva e movimentação do maxilar. O processo pode aparentar ser bem simples, porém, somente um profissional especializado consegue detectar problemas graves, como a doença periodontal, que se caracteriza como um conjunto de condições inflamatórias, de caráter crônico, e de origem bacteriana, que começa afetando o tecido gengival e pode levar, com o tempo, à perda dos tecidos de suporte dos dentes. Os danos que essa doença causa são bem evidentes, mas já os sintomas são totalmente silenciosos e apenas um dentista pode descobri-la em seu estágio inicial.

No intervalo entre uma consulta e outra, cabe ao paciente colocar em prática as lições que recebeu e manter uma higiene bucal adequada até a próxima visita. As orientações básicas para manter a saúde bucal, são: escovar bem os dentes e usar o fio dental diariamente, ingerir alimentos balanceados e evitar comer doces entre as principais refeições, usar produtos de higiene bucal (creme dental, enxaguante bucal) que contenham flúor, garantir que crianças abaixo de 12 anos tomem água potável fluoretada ou suplementos de flúor, se habitarem em regiões onde não haja flúor na água.

ÁREAS QUE UM CIRURGIÃO-DENTISTA PODE ATUAR

Primeiramente, para exercer a profissão é obrigatório que o bacharel obtenha o registro do Conselho regional de Odontologia (CRO). O profissional da odontologia não é apenas aquele que restaura dentes, realiza implantes, extrações ou atua na prevenção de cáries. O cirurgião dentista pode se especializar em diversas áreas, como a periodontia, a dentística restauradora, estomatologia, implantodontia, endodontia, odontopediatria, odontologia para pacientes especiais (pessoas com deficiências mentais ou físicas que necessitam de cuidados ainda mais rígidos e não tem condições de fazer a prevenção adequada sem a ajuda de seus cuidadores) e muito mais. Esse profissional pode atuar no serviço público – com a melhoria das políticas públicas para a saúde, as contratações estão sendo ampliadas através dos programas de saúde como Brasil Sorridente, do Governo Federal, Programa Saúde da Família e outras ações do Sistema Único de Saúde (SUS) -, ou ele pode abrir seu próprio consultório e trabalhar de forma autônoma. Normalmente devido aos altos custos de locação e equipamentos, os odontologistas iniciantes optam por dividir as instalações de atendimento com outros especialistas.

SUGESTÃO DE LEITURA

A formação básica da graduação em odontologia inclui disciplinas da área de ciências biológicas e da saúde, como: anatomia humana aplicada à odontologia, patologia, fisiologia, epidemiologia, ética e bioética, histologia, microbiologia, psicologia, imunologia, bioquímica, genética, introdução à metodologia científica e farmacologia. As matérias profissionalizantes incluem radiologia, material dentário, dentística, endodontia, exodontia, periodontia, cirurgia e traumatologia, próteses, odontopediatria, ortodontia, anestesiologia, diagnóstico por imagem, técnica radiográfica, cariologia e dentística, entre outras. No decorrer da graduação o aluno também verá matérias como restaurações e demais procedimentos em aulas práticas de laboratório, utilizando um manequim odontológico. A partir do terceiro ano, o estudante já passa a atender pacientes na clínica da faculdade. Para que o aluno chegue no estágio de atendimento a pacientes confortável e seguro quanto ao que aprendeu em sala, a Elsevier disponibiliza obras de odontologia, publicados por ela, que explicam passa a passo de atendimento e tratamento de doenças bucais, traumas facias e muito mais. Confira alguns livros do catálogo Elsevier de odontologia:

Odontologia Multidisciplinar

Prótese sobre implantes dentais, 2ED

Aplicação dos sistemas CAD/CAM na odontologia restauradora

ORIGEM DO DIA DO DENTISTA NO BRASIL

No dia 25 de Outubro de 1884, assinou-se o Decreto de Lei nº 9.311, que criou os primeiros cursos de graduação em Odontologia no Brasil, especificamente nos estados da Bahia e Rio de Janeiro. Na mesma data também se comemora o Dia Nacional da Saúde Bucal.

Por meio de uma portaria do Conselho Federal de Odontologia (CFO), esse dia tornou-se uma forma de homenagear quem se dedica à profissão no Brasil. Só no país estão 19% dos dentistas do mundo, sendo ao todo 261.360 profissionais cadastrados – de acordo com dados do CFO.

17 de setembro – Dia Internacional da Segurança do Paciente

Pensar a segurança dos pacientes é fundamental tanto para médicos quanto para outros profissionais que atuam no ambiente hospitalar ou em consultórios. Para isso foi determinado que o dia 17 de setembro seria o dia Internacional da Segurança do Paciente. A data tem como objetivo  aumentar a conscientização em relação aos riscos evitáveis dentro dos hospitais – aproximadamente de 8 a 12% dos pacientes que já foram atendidos em um hospital tiveram que enfrentar alguma adversidade.

A criação de uma data para celebrar esse evento serve também para ressaltar a hospitais, escolas, médicos, etc, que a segurança do paciente tem um papel importante nos cuidados da saúde.

Dr. Dieter Conen, presidente da Fundação para a Segurança do Paciente da Suíça, comentou: “Os processos de saúde atuais são cada vez mais complexos e os eventos adversos ainda não podem ser totalmente evitados. Queremos mostrar que todos nós podemos contribuir para manter os riscos em um nível mínimo. Os profissionais de saúde são responsáveis ​​pela segurança dos pacientes, mas todos nós podemos melhorá-la todos os dias, cada vez mais.” É por isso que ele convida todos os hospitais, médicos, estudantes, universidades e pacientes a participarem das atividades deste dia. Para obter mais informações, visite o website International Patient Safety Day

Quando a segurança do paciente começou a se tornar prioridade

Na última década do século XX, a qualidade no tratamento e a segurança do paciente começou a se tornar uma preocupação nas instituições de saúde,  após a publicação do relatório do Institute of Medicine dos EUA que, mediante resultado de diversos estudos, apontava a crítica situação de assistência à saúde do país. Os dados apontavam que, do total 33,6 milhões de internações, cerca de 44.000 a 98.000 pacientes morriam em consequência de eventos adversos.

Desde a pesquisa, a Organização Mundial de Saúde (OMS) tem demonstrado preocupação com o tema e colocou a segurança do paciente como alta prioridade na agenda de políticas dos países membros, a partir do ano 2000. Em 2004, criou a Aliança Mundial para Segurança do Paciente, visando a socialização dos conhecimentos e das soluções encontradas. Esta aliança tem também o objetivo de conscientizar e conquistar o compromisso político, lançando programas, gerando alertas sobre aspectos sistêmicos e técnicos e realizando campanhas internacionais que reúnem recomendações destinadas a garantir a segurança dos pacientes ao redor do mundo.

Confira também a matéria em espanhol e inglês

http://elsevier.mx/dia-internacional-de-la-seguridad-del-paciente/

http://www.patient-safety-day.org/

Dia do nutricionista – A evolução da ciência nutricional

Desde que foi criada a Associação Brasileira de Nutricionistas  (ABN), no dia 31 de agosto de 1949, institui-se que essa seria a data para homenagear  esses profissionais, que são tão importantes em nossas vidas, por atuar na  segurança alimentar e no preparo de dietas, de acordo com as necessidades de casa paciente. O nutricionista atua visando à segurança alimentar e o planejamento no preparo de dietas, de acordo com as necessidades de cada paciente. Os pontos focais nos estudos de um nutricionista são as carências alimentares de cada indivíduo, interpretando a nutrição e alimentação humana através de fatores biológicos, sociais, culturais e políticos. Feita essa análise, o profissional de nutrição poderá garantir uma melhor qualidade de vida a seus pacientes, em todos os ciclos de sua vida.

Os nutricionistas têm um leque bem amplo de atuação no mercado, que vai de atendimentos em consultórios, supervisionamento na produção de alimentos em cozinhas de indústrias e restaurantes, além de atuarem no ramo de competições, com o acompanhamento da alimentação de atletas.

Evolução do tratamento nutricional

A evolução da ciência nutricional vem  acontecendo a partir da identificação das necessidades alimentares e da aplicação prática desse conhecimento para os conceitos que se relacionam com a prevenção de doenças crônicas e degenerativas e o aumento da saúde. O papel da nutrição na redução da inflamação, agora reconhecido como um contribuinte para a doença crônica, defende a conscientização da importância da dieta alimentar na prevenção e tratamento de doenças.

A Terapia Nutricional (TN) inclui a análise, o diagnóstico nutricional, intervenções, acompanhamento e avaliação para a doença. Em alguns casos, a TN é uma medida preventiva poderosa. A lista de doenças passíveis de intervenção nutricional continua a aumentar, especialmente porque centenas de condições são agora conhecidas por terem um componente genético e uma ligação com a via de expressão nutriente-gene. A alimentação sofisticada e os procedimentos de nutrição aumentam as responsabilidades dos nutricionistas. Os transtornos relacionados à nutrição podem ser tratados por mudanças nas práticas alimentares com base no conhecimento atual. O objetivo em todos os casos é encaminhar o indivíduo do tratamento da doença a uma saúde nutricional melhor e ao bem-estar geral. (Krause – Alimentos, nutrição e dietoterapia, Elsevier, 2012)

Sugestão de leitura

A 13ª edição do livro Krause – Alimentos, nutrição e dietoterapia, da editora Elsevier, é um verdadeiro clássico da área, que dá suporte à dietoterapia como o padrão para a nutrição. Estudantes e profissionais vão adotar a linguagem padronizada em suas próprias situações, seja para indivíduos, famílias, grupos ou comunidades, e todos os leitores são encorajados a usar a edição mais recente da Terminologia Internacional de Nutrição e Diagnóstico em sua prática.

Conhecimento científico e informações clínicas são apresentados de maneira úteis para os estudantes de nutrição, enfermagem e outros profissionais de saúde associados em um ambiente interdisciplinar. A obra é bastante valiosa como referência para outras disciplinas, como: medicina, odontologia, desenvolvimento infantil, educação em saúde e aconselhamento de estilo de vida. Os leitores também contaram com auxílios para os estudos, presentes no livro: apêndices, tabelas, ilustrações e quadros de visão clínica fornecendo procedimentos e ferramentas clínicas práticas, tudo para facilitar a compreensão dos alunos da área e afins.

Dia Nacional do Livro Didático – aproveite os Descontos!

A Editora Elsevier, líder mundial em informações, produtos e serviços nas áreas da Saúde, Ciência e Tecnologia, não poderia deixar de comemorar o Dia Nacional do Livro Didático. Aproveitamos a data para oferecer a ajuda necessária para aqueles que estão sempre em busca de conhecimento, através de nossos conteúdos.

A campanha de Volta às Aulas está oferecendo 20% de desconto, válido para todo o catálogo. E, para facilitar ainda mais a vida dos estudantes, todos os pedidos a partir de R$ 150,00 contam com frete grátis e poderão ser parcelados em até 6x sem juros.

Acesse agora mesmo o site da editora e adquira os volumes que faltam na bibliografia indicada para o seu curso: http://goo.gl/a5GYnQ

Dia Nacional do livro Didático

Boas razões para deixar a raiva de lado

Gandhi disse certa vez: “O perdão é um atributo dos fortes.” É preciso muita coragem para seguir em frente a partir de uma experiência dolorosa causada por outra pessoa. Mas se você conseguir evitar a raiva estará melhorando, e muito, como pessoa. Abaixo algumas razões pelas quais é melhor perdoar do que alimentar o rancor.

A raiva pode prejudicar seu coração

Engarrafar emoções ruins pode ser um pedágio caro a se pagar sobre a sua saúde física. Um estudo publicado pela American Heart Association sugere que níveis elevados de raiva pode aumentar o risco de doença cardíaca coronária, particularmente em homens mais velhos. Reprimir esses sentimentos também pode aumentar a pressão arterial.

Jamais explodir de raiva na frente das crianças

Crianças pequenas moldam o seu comportamento de acordo com o ambiente, especialmente se este cenário está envolto de hostilidade e raiva. De acordo com um estudo publicado na revista Cognitive Development, os bebês podem não só sentir raiva, como ajustar seu comportamento em torno dela. Além do mais, mesmo crianças muito pequenas têm uma memória excelente: os pesquisadores descobriram que as crianças são capazes de classificar o que era raiva baseadas em situações anteriores.

Mesmo um pequeno episódio de raiva pode ter implicações para a saúde

Um estudo da Harvard School of Public Health descobriu que os indivíduos tem cinco vezes mais risco de um ataque cardíaco e três vezes mais risco de um acidente vascular cerebral nas duas horas após uma explosão de raiva.

A raiva prejudica sua saúde mental

Situações adversas têm uma maneira de se alocar em nossas mentes, levando-nos a uma espiral de pensamentos que podem afetar a nossa saúde mental. A raiva agrava a ansiedade e o stress, sustentando emoções hostis que podem tomar a direção de algo mais perigoso.

A raiva pode ser associada com o desenvolvimento de diabetes tipo 2

De acordo com dados publicados pelo National Institutes of Health, a raiva pode potencialmente levar a diabetes por meio de comportamentos de risco à saúde. Não há nenhuma ligação direta entre temperamento e risco de diabetes, mas ainda sim existem alguns resultados notáveis. No estudo, os indivíduos com os mais altos níveis de raiva tinham 34% mais risco de desenvolver a doença em comparação com aqueles com temperamentos mais tranquilos. Os pesquisadores descobriram que aqueles com raiva crônica eram mais propensos a fumar e tinha uma maior ingestão de calorias, dois fatores que podem levar ao desenvolvimento de diabetes tipo 2.

Deixar o rancor de lado o fará mais leve

A raiva pesa. Em um experimento publicado na revista Social Psychological and Personality Science, pesquisadores instruíram 160 alunos de graduação a lembrar de uma época na qual eles viveram algum tipo de conflito. Após isso foram convidados a participar de um exercício físico de salto em distância. Aqueles que pensaram na situação praticando o perdão saltaram mais alto, o que sugere que a carga de rancor pode ser mais do que apenas mental.