Descubra quais estímulos promovem crescimento dos vasos sanguíneos em um tumor sólido!

 

O recurso de materiais interativos, que mexam com a curiosidade e tenham movimento e ação, é cada vez mais comum no ambiente acadêmico. Atualmente, os jovens têm à disposição telefones celulares, computadores, iPods, videogames com gráficos exuberantes, televisores e vídeos em alta definição.

Guyton & Hall Tratado de Fisiologia Médica” mantém a longa tradição de best-seller como o melhor livro-texto de Fisiologia Médica do mundo. Este guia, claro e de fácil compreensão, ressalta o conteúdo mais relevante para os estudantes clínicos e pré-clínicos.

Junto à nova edição da obra, o leitor tem acesso à forma mais inovadora, simples, visual e objetiva de aprender fisiologia, o Homem Virtual, a maneira inteligente de estudar fisiologia em 3D.

Preparamos uma pergunta do livro para você testar seus conhecimentos!

Um homem de 72 anos submeteu-se a uma cirurgia para retirada de um tumor abdominal. Os exames histopatológicos revelaram grande número de vasos sanguíneos na massa tumoral. Qual dos estímulos a seguir promove crescimento dos vasos sanguíneos em um tumor sólido?

  1. A) Hormônio do crescimento
  2. B) Concentração de glicose plasmática
  3. C) Fator de crescimento angiostatina
  4. D) Concentração de oxigênio tecidual
  5. E) Fator de crescimento endotelial vascular (VEGF)

A resposta correta é a E

Tumores sólidos são tecidos metabolicamente ativos e necessitam de grandes quantidades de oxigênio e de outros nutrientes. Quando o metabolismo tecidual é aumentado por um período prolongado, a vascularização do tecido também aumenta. Um dos mais importantes fatores que estimulam o crescimento de novos vasos sanguíneos é o fator de crescimento endotelial vascular (VEGF). Presumivelmente, uma deficiência de oxigênio e/ou nutrientes em um determinado tecido, estimula a secreção de VEGF.

Para saber mais sobre Guyton & Hall Tratado de Fisiologia Médica clique aqui.

 

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Outubro Rosa – Exercícios físicos são importantes para prevenção e tratamento de câncer de mama

Pesquisas realizadas pelo Instituto Nacional do Câncer, dos Estados Unidos, apontam que a prática de exercícios físicos regularmente diminui em média, 7% do risco de desenvolver qualquer tipo de câncer. Em 2013, outra pesquisa já havia comprovado que mulheres na menopausa que se exercitam regularmente têm o risco de ter a doença reduzido em 25 %. Aquelas que fizeram atividades mais leves, como ao menos sete horas de caminhadas por semana, reduziram o risco em 14%, provando que atividades simples e regulares, podem sim, reduzir o risco de câncer de mama.

Já o exercício físico para pessoas que tiveram a doença também é muito importante. Após a mastectomia, e principalmente quando ela é acompanhada da radioterapia, determinadas complicações físicas podem ocorrer, tais como: limitação e diminuição de movimentos de ombro e braço, linfedema e variados graus de fibrose da articulação escapuloumeral. Exercícios físicos para reabilitação não somente são recomendados, como são fundamentais na assistência pós-operatória à mulher, pois têm como finalidade prevenir ou minimizar o linfedema ou perda de mobilidade no ombro.

¹CÂNCER DE MAMA

O câncer de mama é uma das doenças malignas mais comuns nas mulheres. Desenvolve-se nas células dos ácinos, ductos lactíferos e lóbulos da mama. O crescimento do tumor e sua propagação dependem do exato local da origem celular do câncer. Esses fatores afetam a resposta à cirurgia, à quimioterapia e à radioterapia. Os tumores de mama propagam-se através dos linfáticos e das veias ou por invasão direta.

Quando uma paciente apresenta um nódulo, o diagnóstico de câncer de mama é confirmado através de biópsia e avaliação histológica. Uma vez confirmado, o clínico deve tentar estadiar o tumor.

O estadiamento do tumor significa definir:

  • tamanho do tumor primário;
  • local exato do tumor primário;
  • número e locais de propagação para linfonodos;
  • os órgãos para os quais o tumor pode ter se propagado.

A tomografia computadorizada (TC) do corpo pode ser realizada para procurar qualquer propagação para os pulmões (metástase pulmonar), para o fígado (metástase hepática) ou para os ossos (metástase óssea).

Outras imagens podem incluir cintilografia óssea com a utilização de isótopos radioativos, que são captados avidamente pelas metástases tumorais no osso.

A drenagem linfática da mama é complexa. Os vasos linfáticos passam pelos linfonodos axilares, supraclaviculares, paraesternais e até pelos abdominais, assim como pela mama oposta. A contenção do câncer de mama metastático nodal, portanto, é potencialmente difícil, porque pode se propagar para muitos grupos de linfonodos.

A obstrução linfática subcutânea e o crescimento tumoral tracionam os ligamentos do tecido conjuntivo da mama, resultando em textura com aspecto de casca de laranja (peau d’orange) na superfície da mama. Além disso, a propagação subcutânea pode induzir uma rara manifestação de câncer de mama, que produz uma textura dura e lenhosa na pele (cancer en cuirasse).

A mastectomia (remoção cirúrgica da mama) envolve excisão do tecido mamário até o músculo peitoral maior e a fáscia. No interior da axila, o tecido mamário precisa ser removido da parede medial da axila. O nervo torácico longo está situado bem próximo à parede medial da axila. A lesão desse nervo pode levar à paralisia do músculo serrátil anterior, produzindo uma escápula “alada” característica. Também é possível lesar o nervo do músculo latíssimo do dorso, o que pode afetar a extensão, a rotação medial e a adução do úmero. (¹Gray’s Anatomia Clínica para Estudantes 3ED)

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Dia Mundial do Câncer | Entenda a doença

flickr: goellnitzO que é o Câncer?

O câncer é o nome genérico para um grupo de mais de 100 doenças. Embora existam muitos tipos de câncer, todos começam porque as células anormais crescem fora de controle. Um câncer não tratado pode evoluir para algo mais grave, e até mesmo causar a morte.

As células normais do organismo

O corpo é composto de trilhões de células vivas. Células normais do corpo crescem, se dividem para fazer novas células e morrer de uma forma ordenada. Durante os primeiros anos de vida de uma pessoa, as células normais dividem mais rápido para permitir que a pessoa cresça. Depois de adulto, a maioria das células se dividem apenas para substituir células desgastadas, células que morrem ou para a reparação de lesões.

Como o câncer começa

Quando as células, em determinada parte do corpo, começam a crescer fora de controle. O crescimento das células do câncer é diferente do crescimento celular normal. Em vez de morrer, as células cancerosas continuam a crescer e formar novas células, anormais. As células cancerosas também podem invadir (crescer em) outros tecidos, algo que as células normais não podem fazer. Crescer fora de controle e invadir outros tecidos são o que faz uma célula ser uma célula cancerosa.

As células tornam-se células cancerosas em razão do DNA (ácido desoxirribonucléico) avariado. O DNA está em cada célula e dirige todas as suas ações. Em uma célula normal, quando o DNA é danificado, a célula repara o dano ou então morre. Em células cancerosas o DNA danificado não é reparado, porém, a célula não morre como deveria. Em vez disso, a célula continua fazendo novas células que o organismo não precisa. Estas novas células têm o mesmo DNA danificado, como a primeira célula anormal.

As pessoas podem herdar DNA anormal (é passado de seus pais), mas na maioria das vezes o dano ao DNA é causado por erros que acontecem enquanto a célula normal é reproduzida ou por influência do ambiente. Às vezes, a causa do dano ao DNA pode ser algo óbvio, como o tabagismo ou exposição ao sol. Mas é raro saber exatamente o que causou o câncer de uma mesma pessoa.

Na maioria dos casos, as células cancerígenas formam um tumor. Com o tempo, os tumores podem substituir o tecido normal. Alguns tipos de câncer, como leucemia, raramente formar tumores. Em vez disso, estas células cancerosas tomam a corrente sanguínea e órgãos hematopoiéticos, circulando por outros tecidos e crescendo neles.

Como o câncer se espalha

As células cancerosas viajam para outras partes do corpo, onde podem crescer e formar novos tumores. Isso acontece quando as células cancerosas entram na corrente sanguínea ou vasos linfáticos. O processo de propagação do câncer é chamado de metástase.

Não importa para onde o câncer possa se espalhar, é sempre nomeado com base no lugar onde tudo começou. Por exemplo, o câncer de cólon, que se espalhou para o fígado é chamado de câncer de cólon metastático, não câncer de fígado. Neste caso, as células cancerosas extraídas do fígado seriam as mesmas que aquelas no cólon.

Como os cânceres se diferem

Os vários tipos de câncer podem se comportar de maneira muito diferente. Por exemplo, câncer de pulmão e câncer de pele. Eles crescem a taxas diferentes e respondem a diferentes tratamentos. É por isso que as pessoas com câncer precisam de um tratamento específico para o seu tipo de câncer.

Os tumores que não são câncer

Um tumor é um caroço anormal ou conjunto de células, mas nem todos os tumores são câncer. O tumor que não é câncer é chamado de benigno. Os tumores benignos podem causar problemas – eles podem crescer muito e esmagar órgãos e tecidos saudáveis. Mas eles não podem invadir outros tecidos. Por isso, eles também não podem se espalhar para outras partes do corpo (metástase). Estes tumores raramente são fatais.

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone