Aspectos gerais da vacina BCG produzida no Brasil

Esse medicamento que é referência mundial e serve para combater a meningite tuberculosa e formas pulmonares e disseminadas da doença é produzido no Brasil a partir da cepa Moreau, sendo considerado de boa potência quando comparado com outros da mesma natureza da BCG, que são produzidas em todo o mundo. A BCG feita no Brasil também possui familiaridade com outras cepas, demonstradas através de técnicas de fragmentação de DNA. Ela se caracteriza, ainda, por sua alta virulência residual (capacidade de gerar reação tuberculínica mais intensa e por tempo prolongado, quando da aplicação de PPD em vacinados. Sua comercialização é apresentada sob a forma liofilizada, sendo sensível à luz solar e a armazenagem deve ser mantida entre 4° a 8°C. A BCG Moreau também pode ser administrada simultaneamente com outras vacinas, inclusive com as de vírus vivos.

O BCG Moreau, foi reconhecido pela Organização Mundial da Saúde – OMS, após um processo de estudo em 16 laboratórios certificados pela entidade. A estirpe brasileira utilizada na vacina é considerada uma das mais imunogênicas dentre as 12 estirpes vacinais atualmente em uso, que consiste na capacidade do agente biológico estimular a resposta imune no hospedeiro conforme as características desse agente. Seus efeitos adversos são menores e possui proteção bastante elevada.

BCG PARA PREVENÇÃO DA TUBERCULOSE

¹A prevenção da tuberculose é realizada com a vacina BCG (Bacilo de Calmette-Guérin), preparada a partir de uma cepa derivada do Mycobacterium bovis atenuada. A vacina BCG confere poder protetor às formas graves de tuberculose, decorrentes a primo-infecção. No Brasil, é prioritariamente indicada para crianças de zero a quatro anos de idade, sendo obrigatória para menores de 1 ano, como dispõe do Ministério da Saúde (Brasil, 2002).

A estratégia de controle da tuberculose tem sido elaborada por programasgovernamentais. Estes consistem, basicamente, em diagnosticar e trata os casos de tuberculose o mais rapidamente possível, a fim de interromper a transmissão e evitar a difusão da doença.

Embora o tratamento de curta duração (seis meses) tenha sido adotado desde 1979, a supervisão do mesmo ocorreu no Brasil apenas em 1998, com o Programa Nacional do Controle da Tuberculose. Apenas após a instituição desse programa, a OMS considerou que o Brasil tinha aderido à estratégia DOTS (WHO,2002). O objetivo do Programa Nacional de Controle da Tuberculose (PNCT) é localizar no mínimo 70% dos casos estimados anualmente para tuberculose e curar no mínimo 85% destes.

ADMINISTRAÇÃO DO TRATAMENTO

²O tratamento da tuberculose indicado para as formas de tuberculose pulmonar consiste em uma associação de fármacos. Na primeira fase ou fase de ataque, geralmente, é ministrado isoniazida, rifampicina, pirazonamida e etambutol durante dois meses. Na segunda fase ou de manutenção, utilizam-se isoniazida e rifampicina durante quatro meses. Para casos de recidiva após cura, retorno após abandono do tratamento indicado e para tratamento da tuberculose meningoencefálica outros esquemas são utilizados.

O Brasil apresenta 73%* de índice de cura dos casos de tuberculose pulmonar tratados e cerca de 12% de abandono do tratamento. A maioria dos indivíduos submetidos ao tratamento de tuberculose consegue completar o tempo recomendado ser reações adversas relevantes ao uso dos fármacos antituberculosos. Todavia, os maiores determinantes dessas reações se referem à dose, horários de administração da medicação, idade do indivíduo, estado nutricional, alcoolismo, condições da função hepática e renal e coinfecção por HIV.

A prevenção é dada principalmente pela vacina BCG intradermicamente. O teste de Mantoux também é usado na prevenção. Pesquisa de doentes na população e tratamento posterior também têm sido feitos como prevenção à tuberculose.

1º DE JULHO – DIA DA VACINA BCG

A  vacina BCG – Bacilo Calmette-Guérin foi desenvolvida em 1920 pelos cientistas Albert Calmette e Camille Guerin, a partir de uma bactéria responsável por desencadear mastite tuberculosa bovina, a Mycobacterium bovis. Sendo utilizada pela primeira vez, no ano de 1921, em um recém-nascido cuja mãe apresentava sintomas de tuberculose. Inicialmente era administrada de forma oral, mas posteriormente a aplicação intradérmica foi considerada mais eficiente, permanecendo assim até hoje.


¹² Trechos retirados do livro Microbiologia e Imunologia Oral, Elsevier.

*Os números variam de acordo com o paciente e também com o país, uma vez que as cepas utilizadas para a fabricação das vacinas variam de acordo com a localidade.

Imagem: Google

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

A importância da vacinação na saúde da mulher

Não somente crianças precisam ser vacinadas. Existem várias vacinas que precisam ser aplicadas nas mulheres em todas as fases da vida. Algumas são iniciadas na adolescência, como por exemplo a vacina contra o HPV, ou em idosas (Ex: vacina contra Pneumocócica) e outras são reforços de vacinas tomadas na infância (Ex: vacinas Meningite, Tríplice bacteriana, etc). Recomendamos que as mulheres procurem seu ginecologista ou obstetra para atualizar o calendário vacinal, porque a maioria das mulheres adultas não tomou todas as vacinas indicadas para sua faixa etária.

Ressaltamos também, que algumas vacinas são imprescindíveis para a gestante, no sentido de proteção individual e do feto, por exemplo: vacinas Influenza (gripe), Hepatite B e Tríplice bacteriana (Difteria, Tétano e Coqueluche – dTpa). Recentemente foi lançada no Brasil, a vacina Herpes zóster, que auxilia na prevenção da doença Herpes zóster e da neuralgia pós-herpética. Já está disponível nas clinicas particulares de vacinação no Brasil, em aplicação via sub-cutânea e dose única, para homens e mulheres acima de 50 anos.  Em geral, não é comum rejeição do organismos após sua aplicação, sendo que a maioria dos eventos adversos são limitados a reações no local da injeção.

O que as pessoas devem ter em mente é que: vacinas não fazem mal à saúde, ao contrário, elas salvam vidas e são fundamentais para a formação de anticorpos.

Vejam abaixo, algumas das vacinas que precisam estar atualizadas:

Vacina Hepatite A

Vacina Hepatite B

Vacina HPV

Vacina Tríplice viral

Vacina Tríplice bacteriana

Varicela

Pneumocócica

Influenza

Meningites

Herpes zóster

Febre Amarela (viajantes)

VACINAÇÃO DA MULHER – COLEÇÃO FEBRASGO

Na saúde da mulher, as vacinas são capazes de proteger as adolescentes de várias enfermidades, prevenir doenças sexualmente transmissíveis, evitar problemas na gestação e na formação do feto, favorecer a mulher madura a envelhecer com qualidade e preservar sua saúde. Além disso, mulheres com doenças crônicas e risco aumentado de desenvolver complicações, se beneficiam com a prevenção de diversas doenças infecciosas através da vacinação.

Ciente dos novos desafios que se apresentam aos ginecologistas e obstetras brasileiros, a Elsevier, lançou a Coleção FEBRASGO – Vacinação da mulher, que é um facilitador na atualização desse campo do conhecimento, que tem impacto direto na atividade médica exercida no dia a dia desse profissional, e na vida de suas pacientes. O evento de lançamento aconteceu dia 13 de novembro, durante o 56º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia (veja as fotos a cima).

CONFIRA TRECHOS DO LIVRO NA ÍNTEGRA 

‘’O termo vacina é definido pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (Centers for Disease Control and Prevention – CDC) como: um produto que produz imunidade e, portanto, protege o organismo contra as doenças. Representa substância biológica segura, com grandes benefícios para a saúde pública. Dois termos são utilizados de maneira intercambiável: vacinação (é a administração de micro-organismos infecciosos ou partes destes, mortos ou atenuados, com o intuito de prevenção da doença por meio da formação de anticorpos) e imunização (é o processo pelo qual o indivíduo torna-se protegido contra uma doença.).’’ (Vacinação da mulher – Coleção FEBRASGO, Elsevier)

‘’Os anticorpos induzidos pelas vacinas são produzidos por plasmócitos, oriundos da diferenciação de linfócitos B, em interação com células apresentadoras de antígenos. Os linfócitos B têm origem e amadurecem na medula óssea, apresentando em sua superfície moléculas de imunoglobulinas, os anticorpos, capazes de fixar um único antígeno específico. Quando uma célula B encontra, pela primeira vez, um antígeno para o qual está predeterminada, começa a se proliferar rapidamente, gerando células B de memória e células B efetoras. As células B efetoras são também denominadas plasmócitos. Vivem um período limitado de tempo, mas produzem quantidades enormes de imunoglobulinas. Estima-se que um só plasmócito possa secretar mais de duas mil moléculas de anticorpos por segundo.’’ (Vacinação da mulher – Coleção FEBRASGO, Elsevier)

‘’O objetivo que se tem ao imunizar um indivíduo é prevenir doenças, podendo a imunização ser ativa ou passiva. A imunização passiva é a que se consegue por meio da administração de anticorpos, isto é, as imunoglobulinas; pode ser heteróloga, conferida por anticorpos obtidos do plasma de animais, em geral, equinos previamente vacinados; e homóloga, conferida por anticorpos obtidos do plasma de seres humanos. O emprego das imunoglobulinas proporciona proteção mais rapidamente.’’ (Vacinação da mulher – Coleção FEBRASGO, Elsevier)

Matéria produzida com a colaboração de: Nilma Antas Neves (CRM-9.223 BA) – Presidente da comissão nacional de vacinas da FEBRASGO.

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone