29/09 – Dia Mundial do Coração

 

Quais são as principais doenças cardíacas que afetam os brasileiros?

Hoje, 29 de setembro, é o Dia Mundial do Coração. Não é atoa que está data foi criada, já que as doenças cardíacas têm causado 31% das mortes e são consideradas um dos maiores problemas de saúde do Brasil. Este ano, a revista Isto É publicou uma matéria com base em dados do IBGE que indicam que no estado de Minas Gerais, 6,3% dos adultos têm diagnóstico de alguma doença do coração. O número é o mais alto do país, cuja média é de 4,2%.  Viviane Hotta*, autora do livro TECNICAS AVANÇADAS EM ECOCARDIOGRAFIA, publicado pela editora Elsevier, comenta o assunto e explica quais são as principais doenças cardíacas que vitimam os brasileiros.

A doença cardiovascular é umas das principais causas de mortalidade mundial e também no Brasil tanto em homens como em mulheres. A ocorrência destas doenças, que incluem infarto do miocárdico, acidente vascular encefálico (conhecido popularmente como “derrame”), insuficiência cardíaca e insuficiência vascular periférica está associada à presença de fatores de risco.

Dentre os fatores de risco mais importantes para as doenças cardíacas, destacam-se a hipertensão arterial (“pressão alta”), diabetes mellitus (elevação da glicemia dosada em exames de sangue), dislipidemias (alterações na dosagem do colesterol total e frações), obesidade, tabagismo além de antecedentes familiares de risco. Quanto mais fatores de risco, maior o risco de desenvolvimento de alguma doença cardiovascular.

Nas diferentes regiões do Brasil, observa-se uma distribuição heterogênea dos fatores de risco o que explica a maior ocorrência de doenças cardíacas em determinadas áreas. Além disso, a Doença de Chagas também é considerada como doença cardíaca, o que resulta no aumento das taxas desta doença em regiões endêmicas (como o estado de Minas Gerais, regiões rurais e Nordeste do País). Outros fatores relacionados às diferenças observadas relacionam-se aos hábitos alimentares regionais, incidência de obesidade, tabagismo e prática de atividades físicas. Por exemplo, observa-se maior taxa de tabagismo no sul do país, maior taxa de obesidade no Sudeste e Sul, enquanto a hipertensão arterial é maior no Norte e Nordeste do país.

Além disso, o nível de escolaridade associado ao desenvolvimento do sistema de saúde de cada região reflete o acesso da população ao atendimento médico, e também a aderência ao tratamento médico, o que também terá impacto nas diferentes distribuições regionais das doenças cardíacas.

A despeito das diferenças regionais na distribuição das diferentes regiões do país, a prevenção e tratamento dos fatores de risco relacionados às doenças cardíacas são fundamentais. Medidas simples que incluem modificações no estilo de vida como uma dieta saudável e balanceada, cessação do tabagismo e etilismo, prática de atividades físicas regulares e redução do peso (em pacientes acima do peso) desde que supervisionadas e com orientações médicas são essenciais e consistem na melhor forma de prevenção e redução das taxas de doenças cardíacas nacionalmente.

Finalmente, deve-se levar em consideração que os dados obtidos pelo IBGE foram baseados em informações referidas pelos participantes das pesquisas e não em exames médicos, aferição da pressão arterial, dosagem das medidas de colesterol e glicemia, o que pode não refletir de maneira real a verdadeira incidência das doenças avaliadas.

*Hotta é também Doutora em Cardiologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), médica assistente da Unidade Clínica de Miocardiopatias do InCor – HCFMUSP e Médica assessora em Ecocardiografia no Fleury Medicina e Saúde.

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Altura é documento para o coração!

flickr: sharynmorrowFaltando apenas alguns dias para o 5º Congresso Brasileiro de Imagem Cardiovascular da SBC (23º Congresso Brasileiro de Ecocardiografia), a Universidade de Leicester, situada na Grã-Bretanha, publicou um estudo interessante sobre doença cardíaca, tema principal do evento.

Será que as pessoas baixinhas têm mais riscos de sofrer intempéries cardiovasculares? Parece que sim. Os números dão conta de que a cada 6,4 cm a mais de altura, o risco cai 13,5%. A pesquisa investigou 200 mil indivíduos, com base em partes do DNA humano que são responsáveis pela altura e saúde do coração.

Viviane Hotta, autora do livro ‘Técnicas Avançadas em Ecocardiografia’, lançado pela editora Elsevier, e que estará no DIC 2015, no próximo dia 23, fala da relevância das doenças cardiovasculares.

“É umas das principais causas de mortalidade mundial e também no Brasil, tanto em homens como em mulheres. Dentre os fatores de risco mais importantes para as doenças cardíacas, destacam-se a hipertensão arterial, diabetes mellitus, dislipidemias (alterações na dosagem do colesterol total e frações), obesidade e tabagismo, além de antecedentes familiares de risco (…).”

Evolução da Ecocardiografia

“O desenvolvimento exponencial de novas modalidades terapêuticas para as doenças cardiovasculares, como a terapia de ressincronização cardíaca (TRC) e dispositivos de assistência circulatória, além do aumento significativo das intervenções percutâneas para tratamento das lesões valvares, oclusão do apêndice atrial esquerdo, miocardiopatia hipertrófica e defeitos septais, fez que a ecocardiografia se tornasse um método absolutamente necessário para adequada seleção, planejamento terapêutico e sucesso das intervenções”, aborda Hotta na introdução do livro.

Ainda sobre a relação altura x doença cardiovascular, essa não é uma abordagem tão nova, já que há 50 anos esse fator de risco já havia sido considerado, mas sem entendimento dos especialistas sobre como isso seria possível.

É importante ressaltar que os pesquisadores esperam que um novo estudo, agora com o foco nos genes responsáveis pela altura e saúde do coração possa trazer, num futuro próximo, um melhor esclarecimento no diagnóstico para tratamento e prevenção.

 

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone